Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

Polícia fecha escola que vendia, por dia, dois diplomas falsos

1 JUN 10 - 06h:35
ANAHI ZURUTUZA e BRUNO GRUBERTT

A Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes contra as Relações de Consumo (Decon) fechou, ontem pela manhã, escola que emitia diplomas falsificados dos ensinos fundamental e médio, em Campo Grande. A Paulistec cobrava de R$ 450 a R$ 780 por aluno, que, em tese, fazia curso de 2,4 mil horas/aula, passava por uma prova antes de receber o certificado de conclusão supostamente reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC). Só neste ano, de acordo com a polícia, pelo menos 200 diplomas foram emitidos pela escola, o que dá a média de dois documentos por dia.

Duas funcionárias foram presas e o proprietário, identificado como Mauro De Nápoli, intimado a prestar depoimento à Polícia Civil de São Paulo, porque vive na capital paulista. A escola funcionava havia pelo menos dois anos na Rua 13 de Maio, 2.951, no centro da Capital.
De acordo com o delegado Adriano Garcia Geraldo, titular da Decon, a instituição não é credenciada pelo MEC e o esquema contava com apoio de outros dois estabelecimentos, que funcionam legalmente no Rio de Janeiro (RJ) e Joinville (SC). “O aluno não tinha aulas presenciais. Ele fazia inscrição, comprava uma apostila e dez dias depois fazia uma prova”, explica o delegado.

Segundo Geraldo, o resultado da avaliação era enviado à matriz da Paulistec, em São Paulo, que encaminhava os dados do aluno para as duas outras escolas “parceiras” e as instituições emitiam o certificado. “A questão é que as informações do diploma são mentirosas, porque o aluno, na verdade, não fez curso nenhum”.
Outra irregularidade cometida, segundo a Decon, é quanto à aplicação das provas. “Pela legislação, a prova tem de ser aplicada por representante da escola que emite o certificado, o que não acontecia em Campo Grande, já que os alunos faziam a avaliação sem supervisão nenhuma”.
Ontem à tarde, a polícia ainda não havia terminado de contar os certificados apreendidos. A Decon iniciou as investigações há duas semanas.

Funcionárias
Ontem, durante a operação, foram presas as funcionárias Debora Lourenço, 24 anos, que trabalhava havia dois anos e meio na Paulistec, e Elaine da Silva Santos, 23, empregada havia quatro meses. As duas foram levadas para prestar depoimento e chegaram a dizer que recebiam comissões a cada matrícula que faziam. “Era uma forma de estimular que elas arrebanhassem cada vez mais alunos para a fábrica de diplomas”, afirma Geraldo.
As trabalhadoras informaram que, por dia, elas faziam depósitos bancários de cerca de R$ 1,5 mil, valor referente à matrícula de novos alunos. As duas funcionárias foram liberadas após pagamento de fiança. Na escola, policiais apreenderam apostilas, provas, simulados, o cadastro dos alunos, quantia em dinheiro, extratos bancários e documentos.

A Decon ainda apura a participação de um homem identificado como Miguel, que seria gerente da Paulistec e cunhado do proprietário. As funcionárias, o dono da escola e outras pessoas que tiverem participação comprovada no esquema podem ser responsabilizados pelos crimes de estelionato e formação de quadrilha. Já a empresa pode ter de responder na Justiça por publicidade enganosa e induzir o consumidor ao erro.

Outros estados
A Paulistec funciona em outros 24 municípios do Brasil. No site da instituição é possível acessar informações sobre as filiais em São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo, Pernambuco, Bahia, Santa Catarina e Paraná, além da unidade instalada em Campo Grande. Segundo Geraldo, a primeira filial fechada é a da Capital. “Vamos comunicar a Polícia Civil dos outros estados, para que investiguem também”, informou.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BOLÍVIA

Evo admite que não deveria ter buscado 4º mandato e partido anuncia candidato

Laudo necroscópico da perícia será determinante para definir caminhos da investigação
SURTO NO MOTEL

Laudo necroscópico da perícia será determinante para definir caminhos da investigação

Há intervalo de 3h entre momento que casal chegou ao motel e surto de mulher, diz delegado
SURTO NO MOTEL

Há intervalo de 3h entre momento que chegaram e surto de mulher, diz delegado

De quase 50 mil candidatos, apenas uma tirou nota máxima na redação do Enem em MS
NOTA 1000

De quase 50 mil candidatos em MS, apenas uma tirou nota máxima na redação do Enem

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião