Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, segunda, 19 de novembro de 2018

Belo Horizonte

Polícia faz reconstituição da morte de primo do goleiro Bruno

5 SET 2012Por G110h:06

A Polícia Civil fez, na manhã desta quarta-feira (5), a reconstituição da morte do primo do goleiro Bruno, Sérgio Rosa Sales. O delegado Alexandre Campbel confirmou durante entrevista coletiva na tarde desta terça-feira (4), que um casal está preso em Belo Horizonte por suspeita de cometer o crime. Segundo o delegado, a mulher contou para o amante que Sérgio a teria 'cantado'.

Sérgio Sales era considerado testemunha-chave no processo sobre o desaparecimento e morte de Eliza Samudio. Ele era um dos oito réus na ação, e foi morto no dia 22 de agosto, no bairro Minaslândia, na Região Norte de Belo Horizonte. Eliza, ex-namorada do goleiro, foi morta, segundo a polícia, em junho de 2010. O corpo dela nunca foi encontrado.

De acordo com a polícia, a reconstituição começou na casa da mulher suspeita, no bairro Aarão Reis, também na Região Norte da capital. Os investigadores refizeram o trajeto de Denilza Cezário da Silva, de 30 anos, uma das suspeitas. Segundo o delegado, ela levou o amante, Alexandre de Oliveira, de 28, até a casa de Sérgio, no bairro Minaslândia.

Durante a encenação, a suspeita contou que, no dia anterior ao crime, ela foi "cantada" por Sérgio próximo à sua casa. Denilza relatou aos policiais que, ao voltar do trabalho, Sales disse que a esperaria no mesmo local, no dia seguinte [do crime]. Segundo o delegado, ela contou que pediu ao amante que a acompanhasse até o supermercado, onde Sérgio disse que estaria, e Alexandre ficou observando de longe. Ainda segundo a descrição da mulher, Sérgio tentou abraçá-la e o amante "partiu para cima" dele. Denilza ressaltou que depois disso foi trabalhar.

Campbel contou que Denilza relatou que Sérgio "fez gracejos" para ela no dia 21 de agosto, próximo ao local onde o primo do goleiro Bruno morava. Ela contou o ocorrido para o amante, Alexandre Ângelo de Oliveira, de 28 anos. No dia seguinte, os dois foram, em uma moto, até as proximidades da casa da vítima. Denilza desceu do veículo e continuou o caminho sozinha. O amante a acompanhou de longe. Segundo o delegado, Sales repetiu os “gracejos” e, a partir deste momento, Oliveira se aproximou. Logo em seguida, ele deu os primeiros disparos contra Sales, que tentou fugir. Alexandre o perseguiu, até que o primo de Bruno tentasse pular um muro, momento em que o amante efetuou os outros disparos. Segundo Campbel, o casal não conhecia o primo do goleiro Bruno e, tampouco, sabia do envolvimento dele com o caso Eliza Samudio.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também