Quinta, 22 de Fevereiro de 2018

Polícia do Rio investiga envolvidos na fronteira

24 SET 2010Por 08h:00

karine cortez

A Polícia Civil do Rio de Janeiro está investigando e deve identificar nos próximos dias os traficantes de droga de Ponta Porã que atuavam em parceria com traficantes do Rio de Janeiro. Os envolvidos da região de fronteira com o Paraguai  agiam com 16 traficantes de classe média do Rio de Janeiro, São Paulo e Guarapari, no Espírito Santo, presos anteontem, durante Operação Consórcio.
De acordo com o delegado da sub-secretaria de Inteligência da Secretaria de Segurança do Rio de Janeiro, Carlos Abreu, o “carro-chefe” da quadrilha é a maconha e os “matutos” – como são chamados os fornecedores de entorpecentes – levavam a droga via terrestre para ser distribuída pelos traficantes nas regiões próximas às cidades que eles atuavam.
O delegado explicou que é muito difícil conseguir prender os fornecedores devido à facilidade deles atravessarem a fronteira. “Como não podemos atuar no combate ao crime internacional de drogas ficamos de mãos atadas e não podemos expandir muito os trabalhos nos estados que têm fronteira seca. Temos que respeitar os limites de atribuições e não é de nossa competência o crime internacional. Mas, vamos identificar os traficantes de Ponta Porã e outros mandados de prisão serão expedidos”, explicou Carlos Abreu.
Informações repassadas pela Polícia Civil do Rio de Janeiro dão conta de que o bando negociava diretamente com o fornecedor que recebia a droga do Paraguai de forma a tornar o tráfico mais rentável. “Anteriormente, o grupo adquiria o entorpecente com traficantes do Rio, mas depois resolveu criar um consórcio para comprá-la diretamente com o fornecedor visando mais lucro”, afirmou o delegado.

Leia Também