sábado, 21 de julho de 2018

Polícia descobre disque-extorsão nas cadeias do RJ

27 JUN 2010Por 09h:32
     

                 

                 

                  A tentativa de extorsão contra o vice-presidente da República, José Alencar, em abril, revelou detalhes do funcionamento do crime conhecido como "Disque-extorsão" no sistema penitenciário do Rio de Janeiro. Segundo testemunhas ouvidas pela Delegacia Anti-Sequestro (DAS), no presídio de onde partiu a ligação para José Alencar, agentes penitenciários recebem propinas que podem chegar a R$ 600 para facilitar a entrada de chips e celulares.

                

                

                  Na mesma unidade, o esquema é tão sistematizado que um preso chegou a criar uma conta bancária para o depósito de todas as extorsões. Como uma espécie de "taxa de administração", ele recolhe 15% de todos os depósitos. As revelações foram feitas em um inquérito que correu sob sigilo, na DAS. O objetivo era investigar uma outra extorsão, ocorrida três dias depois da sofrida por Alencar, por um casal de idosos, em Riachuelo, zona norte. De acordo com testemunhas, o bando que tentou extorquir dinheiro do vice-presidente já comprou carros, motos e até imóveis com as ameaças por telefone.

                (Agência Estado)

Leia Também