Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ATOR

Polícia caça traficante que vendeu drogas a Philip Seymour Hoffman

Polícia caça traficante que vendeu drogas a Philip Seymour Hoffman
04/02/2014 07:45 - FAMOSIDADES


A polícia de Nova York, nos Estados Unidos, iniciou uma caçada para identificar o traficante que vendeu heroína para Philip Seymour Hoffman, que morreu no último domingo (2), devido ao uso da droga, segundo as autoridades norte-americanas. 'Um e-mail interno está circulando entre todos os supervisores perguntando se alguém tem experiência com marcas de drogas. Eles vão tentar encontrar a fonte', afirmou um policial à coluna 'Page Six'.

O novo comandante de narcóticos no sul de Manhattan, Timothy Bugge, enviou um e-mail questionando se os oficiais já teriam lidado com tipos de heroínas chamados 'Ás de espadas' e 'Ás de copas'. 70 embalagens da substância foram encontradas no apartamento do astro. Segundo a publicação, a polícia teria considerado o caso uma prioridade porque Hoffman era 'um ator de alta categoria' e porque um processo nomeado 'depósito de nitro' poderia ser fundamental para resolver o caso.

'Basicamente o que acontece é que cada vez que fazemos um prisão e apreensão na narcóticos incluímos o nome da marca no relatório e armazenamos isso em nosso sistema, então nossos investigadores sabem onde aquelas marcas estão sendo vendidas', explicou. Assim que determinarem uma localização, os oficiais poderão chegar ao traficante que vendeu aquela droga em particular. O ator foi encontrado morto ainda com uma agulha presa a seu braço. A necropsia da morte de Hoffman foi marcada para esta segunda-feira (3). O corpo do ator foi encontrado pelo roteirista David Katz em seu apartamento no bairro de Greenwich Village. A principal suspeita é de overdose

Felpuda


Sindicalista defende o fim de mordomias e privilégios dos políticos e dos integrantes de outros Poderes, conforme divulgação feita por sua assessoria. Para ele, está na hora de se colocar um basta nessa situação, questionando, inclusive, o número de parlamentares e de assessores. Entretanto, não demonstra a mesma aversão por aqueles dirigentes de sindicatos que se perpetuam no poder e que comandam mais de uma entidade, assim como ele. Afinal, o exemplo deve vir de casa, né?