Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, terça, 11 de dezembro de 2018

Polícia ainda busca pistas para esclarecer assassinato de garota

10 AGO 2010Por 04h:40
MICHELLE ROSSI

A Polícia ainda está em busca de elementos para esclarecer o assassinato de Juliana Aparecida dos Santos Sales, 19 anos, ocorrido depois de uma discussão, na saída de um baile na sede da União Campo-grandense das Associações de Moradores em Favelas e Assentamentos Urbanos e Rurais (Ucaf), na madrugada de domingo, no Bairro Coronel Antonino, em Campo Grande.
A vítima foi atingida por um tiro, por acidente, já que o alvo era a amiga dela, Pâmela Alves Reginaldo. A briga só envolveu mulheres e a acusada de disparar contra as amigas foi identificada até o momento como Joyce, que ainda não foi localizada pela polícia ou tampouco se entregou.
Na briga, a irmã de Juliana, L.T.S., 14 anos, ficou ferida com o mesmo projétil que matou a jovem, mas passa bem, pois o tiro atingiu uma de suas mãos, de raspão. Juliana deixou um filho de um ano e Pâmela, que era o alvo, está grávida de seis meses.
Segundo o delegado Silvério Arakaki, da Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) que fez o primeiro atendimento do fato, não há material apreendido da cena do crime e as testemunhas vão começar a ser ouvidas. “Quando a equipe policial chegou ao local as testemunhas já haviam sumido. Agora estamos correndo atrás de provas para esclarecer o crime”, disse. O caso foi repassado ontem à tarde para a 2ª Delegacia de Polícia da Capital que vai comandar as investigações a partir de agora. Juliana foi enterrada ontem, no Cemitério Cruzeiro,  

Motivação do crime
A mãe da jovem assassinada, Elis Moreira dos Santos, 39 anos, bastante abalada com a morte da filha, disse que de acordo com relatos de conhecidos, a briga aconteceu por conta de ciúmes de Joyce contra Pâmela. “Elas estavam todas na festa, minhas duas filhas, a Pâmela e essa outra que deu o tiro, que eu nem conheço. Dentro do baile mesmo, começou uma discussão porque a Pâmela estaria dando em cima do namorado dessa outra (Joyce) e parece que no passado ela já tinha roubado um namorado dela. Quando elas saíram do baile, a garota estava de moto com o namorado, que parece ser o dono da arma, e disparou contra a Pâmela, mas a minha filha - como é muito amiga dela e acho que no instinto de mãe protegeu a Pâmela”, relatou sobre as circunstâncias do crime.
Ainda de acordo com a mãe de Juliana, sua filha não portava documentos e por isso demorou cerca de 1 hora e meia para ser atendida na unidade médica. “Primeiro ela foi encaminhada para o Posto da Coronel Antonino, mas viram que o caso era grave, e mandaram ela para a Santa Casa. Como ela estava sem documentos, demoraram para abrir o prontuário dela. Quando eu cheguei no hospital, cerca de uma hora e meia depois do tiro, ela já estava tendo parada cardíaca”, descreveu. “Agora eu só quero justiça porque minha filha eu não tenho mais”, desabafou. 
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também