Domingo, 18 de Fevereiro de 2018

CEPAL

Pobreza na América Latina diminui em 2010

1 DEZ 2010Por ESTADÃO00h:00

A vigorosa recuperação econômica da maioria dos países da América Latina vai contribuir para a redução em 2010 da pobreza e da indigência na região, conforme estimativas da Comissão de Estudos Econômicos para América Latina e Caribe (Cepal). 

Em seu Panorama Social da América Latina 2010, divulgado hoje pela secretária-executiva do organismo, Alícia Bárcena, a Cepal projeta queda de 1,0 e 0,4 ponto porcentual nos índices de pobreza e indigência, respectivamente, comparados com os números verificados em 2009, quando a região sofria os fortes impactos da crise financeira internacional. As projeções indicam que 180 milhões de latino-americanos (32,1%) permanecerão em situação de pobreza e outros 72 milhões (12,9%) continuarão na indigência, retornando aos níveis registrados em 2008.

O estudo destaca que, apesar das repercussões da crise de 2009 na região, a pobreza aumentou apenas um décimo de ponto porcentual, de 33,0% a 33,1%, naquele ano. Com base no comportamento apresentado pelo fenômeno, a Cepal acredita que a América Latina estaria retomando a tendência de redução da pobreza, iniciada em 2003. "Os países da região mostram uma resistência nas variáveis sociais que não se havia registrado em crises precedentes", afirmou Bárcena.

De 2008 a 2009, a pobreza baixou de 25,8% para 24,9% no Brasil, de 58,2% para 56% no Paraguai, de 44,3% para 41,1% na República Dominicana e de 14% para 10,7% no Uruguai, ressaltou a Cepal. O relatório também mostrou que essa porcentagem baixou entre 2006 e 2009 na Argentina (de 21% para 11,3%) e no Chile (de 13,7% para 11,5%). Na via oposta, de 2008 a 2009, a pobreza aumentou na Costa Rica (de 16,4% para 18,9%) e Equador (de 39% para 40,2%). No México, a pobreza subiu de 31,7% em 2006 para 34,8% em 2008.

Leia Também