Segunda, 18 de Junho de 2018

PMs acusados de decapitar vítimas pegam 18 anos e 8 meses de prisão

30 JUL 2010Por 06h:16
     

                Cada um dos quatro policiais militares acusados de matar e decapitar um deficiente mental na Grande São Paulo foram condenados nesta sexta-feira (30) a 18 anos e oito meses de reclusão, em regime inicialmente fechado, informou a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP).

                O julgamento dos soldados, acusados também de integrar grupo de extermínio, terminou às 2h15 desta sexta, após pouco mais de 16 horas de debates.

                Cabe recurso da decisão, segundo TJ-SP.

                Os PMs foram a júri popular pelo assassinato de Antônio Carlos Silva Alves, em outubro de 2008. Deficiente mental, ele foi confundido pelos acusados com um ladrão, segundo a denúncia. Testemunhas viram quando a vítima foi abordada pelos policiais.

                 

                'Highlanders'
                Os policiais são acusados de integrar um grupo de extermínio que ficou conhecido como ?highlanders?. O apelido se deve ao fato de as vítimas, depois de mortas, serem decapitadas.

Leia Também