segunda, 16 de julho de 2018

NOVOS TEMPOS

PMDB e PT vão administrar juntos a Assembleia Legislativa

27 JAN 2011Por DA REDAÇÃO00h:02

O PMDB e o PT – históricos adversários - vão compartilhar da administração da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul a partir do dia 1º de fevereiro. A presidência da Casa continuará na mão dos peemedebistas, no caso Jerson Domingos, mas o PT ficará na segunda-secretaria que ganhará mais poderes para atuar com a primeira-secretaria. 

Essas duas secretarias tomarão em conjunto as decisões referentes a gastos, folha de pagamento, pessoal, entre outras que são necessárias para o andamento da Casa, prestando contas evidentemente para a presidência da Casa. Os deputados Paulo Corrêa, indicado pelo Partido da República (PR) e com aval do PMDB, para a primeira-secretaria e Paulo Duarte, ungido pelo Partido dos Trabalhadores (PT) ao cargo de segundo-secretário, serão os responsáveis pelo desenvolvimento dessa tarefa.

O deputado Londres Machado, convidado para a primeira-secretaria, abriu mão e juntamente com outro integrante da bancada do PR, Antônio Carlos Arroyo, indicou Paulo Corrêa. Londres justificou a decisão dizendo que já exerceu, em outras legislaturas, os cargos de presidente e de primeiro-secretário  e que, em nome do consenso, decidiu ficar fora.

O presidente do Legislativo estadual, deputado Jerson Domingos, que deverá ser reeleito pela terceira vez para comandar a Casa, pretende que haja uma administração moderna. Por isso, decidiu ampliar as atribuições da segunda-secretaria que não será “cargo decorativo” mas com poder de decisão. Paulo Duarte, que a partir do dia 1º vai exercer o seu segundo mandato, é funcionário de carreira do fisco, já foi secretário de Estado de Obras e também de Fazenda (substituiu Paulo Bernardo, ex-ministro de Planejamento de Lula e atual ministro das Comunicações de Dilma Roussef e que em Mato Grosso atuou no Governo de José Orcírio), além de secretário de Governo.

Paulo Duarte é considerado um deputado de bom trânsito entre os colegas além de ter experiência administrativa. Com Paulo Corrêa, engenheiro civil e que exercerá o quinto mandato, o petista poderá contribuir para que o Legislativo estadual seja uma Casa modernizada como pretende seu presidente. A guerra política, por sua vez, fica em nível de plenário e na ‘discussão de ideias’ como dez em cada dez políticos preferem dizer.

Mesa

Na atual legislatura, que se encerra com a posse dos reeleitos e eleitos em fevereiro, o PT ocupa a primeira vice-presidência. É um cargo cujas atribuições são limitadas. Esse cargo deverá, agora, ser ocupado pelo deputado Maurício Picarelli, do PMDB.

Leia Também