Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PMDB é condenado por fazer propaganda irregular de André

PMDB é condenado por fazer propaganda irregular de André
17/07/2010 07:21 -


Fernanda Brigatti

O Diretório Estadual do PMDB perdeu o direito de veicular publicidade partidária no primeiro semestre de 2011, como punição por fazer propaganda do governador André Puccinelli (PMDB) antes do início oficial da campanha eleitoral. A decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) está publicada na edição de ontem do Diário da Justiça Eleitoral e é em resposta a uma representação do Diretório Regional do PT, por propaganda eleitoral antecipada.

A exibição que gerou a punição trazia André Puccinelli falando sobre seu governo e usando termos como “vamos continuar juntos”, o que, no entendimento do partido adversário, representou a utilização para promoção da candidatura à reeleição do peemedebista. Com a punição, o partido não poderá exibir cinco vídeos de propaganda a que teria direito no primeiro semestre de 2011.

O Diretório do PMDB tentou derrubar a representação, alegando que havia necessidade de o PT apresentar a degravação do CD com a propaganda em questão em uma folha separada e pedia a extinção do processo sem resolução do mérito. O presidente do TRE, desembargador Luiz Carlos Santini, considerou que a transcrição integral da propaganda no pedido inicial, mais o CD, representavam instrumentos suficientes, até mesmo para a defesa.
Santini também afirmou, em seu relatório, que “a propaganda partidária é um instrumento de que dispõem os partidos políticos para divulgarem à população as suas propostas, a sua ideologia, voltando aos seus interesses e não dos candidatos”. Na avaliação do relator, as provas demonstram que o PMDB desvirtuou a publicidade partidária e, em vez de divulgar seu programa de governo, apenas enalteceu “as realizações do atual governador (pré-candidato)”. Cabe recurso da decisão no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Felpuda


As conversas vêm acontecendo muito, mas muito reservadamente mesmo, e dão conta de que suplente poderá receber convocação, assumir a titularidade do cargo e por lá ficar por tempo indeterminado. Como é óbvio, tem gente jurando que nunca ouviu nem sequer falar sobre o assunto. O motivo não seria nada ligado a possíveis atos de irregularidades, mas sim por problemas de ordem pessoal.