OPERAÇÃO

PMA prende pescadores no Rio Paraguai

PMA prende pescadores no Rio Paraguai
05/03/2011 11:18 - DA REDAÇÃO


Policiais Militares Ambientais de Corumbá/MS, que trabalham na “Operação Carnaval”, em fiscalização no rio Paraguai, região conhecida como “ baía do Tuiuiú”, prenderam ontem um pescador praticando a pesca amadora com utilização de tarrafa, material proibido para a categoria amadora e com pescados inferiores aos permitidos por lei.

Com o pescador, que é empresário de Corumbá a fiscalização apreendeu 17 Kg de pacu ou o equivalente a 13 unidades com medidas abaixo das permitidas, além de uma tarrafa para captura de iscas; três carretilhas com varas; duas varas de bambu e uma lancha do tipo Marajó com motor de popa 40 HP. Ele recebeu multa no valor de R$ 1.040,00.

Também ontem pela manhã, uma equipe que se encontrava em fiscalização desde o dia 25 de fevereiro, última semana do “Período Piracema”, autuou um pescador profissional, residente na cidade de Poconé/MT, por ter capturado pescados com tamanhos inferiores aos permitidos por lei. O flagrante foi na foz do rio Paraguai com o rio Piquiri, a 350 Km de distância da cidade de Corumbá-MS. Com o pescador foram apreendidos 39 Kg de pacu; uma vara de pesca e uma lancha de pesca. O autuado foi multado em R$ 1.480,00.

Ambos os pescadores responderão por crime ambiental de pesca predatória. Se condenados, poderão pegar pena de detenção, de um a três anos, ou multa, ou ambas as penas cumulativamente.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".