PM prende foragido da colônia penal

PM prende foragido da colônia penal
02/03/2010 06:44 -


Evadido da colônia penal de Campo Grande, Alessandro Santos do Prado, 26 anos, foi preso na manhã de ontem pelo 10º Batalhão da Polícia Militar, Pelotão da Força Tática, localizado no Parque Ayrton Senna, em Campo Grande. Ele foi encontrado numa residência da Rua Manoel Marcelino Rodrigues, Bairro Dom Antônio, depois de denúncia anônima. Populares sabiam das práticas criminosas a ele atribuídas. “Eu estava dormindo, quando os policiais chegaram na casa”, descreveu Prado, que foi surpreendido pela polícia, por volta das 9 horas. Só na manhã de ontem, o exdetento da colônia penal havia confessado o assalto a 12 ônibus do transporte coletivo da Capital, todos neste ano, nas regiões do Dom Antônio, Lageado, Parque do Sol, e Colorado. Ele foi reconhecido por um motorista de ônibus quando ainda estava detido no batalhão no Parque Ayrton Senna. De acordo com o sargento Adilson Garcia da Silva, que efetuou a prisão, nos últimos assaltos Alessandro não portava arma de fogo, colocando apenas a mão dentro da camisa, simulando o porte de arma. “Assim, ele intimidava as pessoas e fazia o assalto”, informou o sargento, enquanto o acusado disse que agiu sozinho nos assaltos a ônibus. A ficha criminal do preso é extensa. Após cumprir quatro anos no Estabelecimento Penal de Segurança Máxima, ele foi encaminhado ao regime semiaberto da Colônia Penal Agrícola de Campo Grande, de onde está foragido desde o dia 18 de setembro de 2008. Segundo policiais que efetuaram a prisão do elemento, há passagens de Alessandro por roubo, latrocínio, porte ilegal de arma de fogo e tráfico de drogas. Tendo também registros de crimes praticados quando ele ainda era menor de idade.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".