Quinta, 22 de Fevereiro de 2018

CONTRABANDO

PM apreende medicamentos e cigarros do Paraguai

3 FEV 2011Por DA REDAÇÃO00h:01

A Polícia Militar em Três Lagoas deteve, ontem (2), a vendedora M.R.O., de 48 anos, acusada de vender, ilegalmente, medicamentos importados do Paraguai em uma barraca do camelódromo da cidade. O Serviço Reservado da Polícia Militar (P2) apreendeu três caixas do remédio Fingrass, usado para emagrecimento, seis caixas de Reumazim, utilizado para reumatismo, e duas cartelas de Pramil, prescrito para disfunção erétil. Estes medicamentos, de acordo com o capitão Élcio, da PM, têm uso controlado e venda proibida no Brasil. Além dos medicamentos, foram apreendidos 82 pacotes e 32 carteiras de cigarros de diversas marcas.

A polícia chegou ao box do camelódromo por meio de denúncias sobre tráfico de drogas. Após o monitoramento, foi flagrada a venda do Pramil. Em revista às mercadorias, os policiais localizaram os outros medicamentos assim como os cigarros. Segundo o capitão Élcio, o medicamento para ereção era vendido fracionado, ou seja, em comprimidos individuais.

“Não é uma grande apreensão, mas, além de não haver permissão para a comercialização neste tipo de estabelecimento, são medicamentos sem registro no Brasil e o uso pode ser prejudicial à saúde”, avaliou.

M.R.O. foi encaminhada para a Polícia Federal e deve ficar detida à disposição da Justiça.

Entre os remédios apreendidos, o Pramil, conhecido “Viagra do Paraguai” ou “Viagra Popular” pode até levar à morte pessoas que sofrem de doenças cardíacas e usam remédios vaso-dilatadores, afirmou o médico urologista Ary Queiroz Arão. Ele explicou que o princípio ativo do Pramil, o sildenafil, também é vaso-dilatador e tem seus efeitos potencializados. “Esta associação pode provocar hipotensão e conseqüente angina, infarto e até morte súbita”, disse.

Arão ainda ponderou que os usuários de medicamentos para disfunção erétil normalmente são idosos já portadores de diabetes, pressão alta, usam álcool e fumam, fatores que também trazem riscos quanto ao uso do medicamento.

Outro medicamento apreendido em Três Lagoas, o Fingrass, tem como princípio ativo a sibutramina, substância de uso controlado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que determina a prescrição em tratamentos de até 60 dias e especifica dosagem máxima diária de 15mg, após recomendação da Agência Européia de Medicamentos (Emea, em inglês) para suspensão da venda da substância.

Segundo a Polícia Militar, ainda estão sendo investigadas denúncias de que os camelôs de Três Lagoas estejam comercializando Citotec,  medicamento abortivo que pode levar à morte por hemorragia.

Leia Também