Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

URBANISMO

Planurb chega aos 25 anos exigindo apoio para projetar o futuro

19 AGO 12 - 00h:01MONTEZUMA CRUZ

“A cidade é a nossa razão de ser e não podemos construí-la sem que o povo goste dela”, alerta Juvêncio da Fonseca, 77 anos, ex-prefeito e senador da República, considerado por muita gente “o pai do Planurb”. Lembra o fato desse desenvolvimento ocorrer em pleno Centro-Oeste Brasileiro, distante dos grandes centros populacionais. 

Desde cedo ele mostrou-se impaciente com a ausência da planejamento que notava na Campo Grande superloteada.

Fonseca fez para o Correio do Estado um retrospecto do planejamento na história campo-grandense, enfatizando que a cidade não obtinha qualidade de vida devido à ausência de planejamento à altura.

Só faz reservas ao antecessor no cargo, Lúdio Coelho (1983-85), “por não ter se dedicado tanto ao assunto”. “Sempre tivemos boas iniciativas, entretanto, passamos mais de 50 anos eleborando leis e projetos relacionados com determinada obra ou iniciativa, enada de institucional surgia como fruto de uma cultura local já sedimentada”.

O crescimento “explosivo”, devido ao alto índice de migração e da multiplicação de favelas, desafiava engenheiros, arquitetos, geógrafos, empresários e universitários. Todos pretendiam propor soluções para problemas da cidade.

Em 1982, recém-eleitos para a Câmara Municipal, Fonseca e Fausto Mato Grosso Pereira insistiram na ideia durante três anos, em vão. Só na eleição de 1985 modificou-se: no cargo de prefeito, Fonseca abriu as portas para a sua aprovação. “Obviamente, ele diz, ninguém tinha varinha de condão para fazer mágicas numa hora tão difícil, mas Deus colocou no meu caminho muitos companheiros especiais, funcionários municipais, homens e mulheres, todos vestiam camisas”, lembra.

Exemplo de capitais

Promoveu um seminário, trazendo experientes profissionais para debater o assunto. Curitiba, Goiânia, Fortaleza, São Paulo e Vitória já tinham seus institutos. Dispensando a contratação de empresas particulares, Fonseca buscou a experiência de cada especialista local em planejamento urbano, pagando-os por serviços prestados e horas trabalhadas. Sabatinada pela assessoria específica, a equipe assimilava e assumia suas tarefas.

Assim, em 1987 surgiu a Unidade de Planejamento Urbano, sob a presidência do arquiteto Ângelo Arruda. O sistema municipal de planejamento possibilitou a edição da Lei de Ordenamento do Uso e Ocupação do Solo, dos loteamentos sociais e do plano diretor, este, na condição de instrumento do planejamento participativo.

“O instituto é grandioso desde o início, e a ele devemos, especialmente as nossas diretrizes urbanísticas”, assinala.

Sucedeu-se a sua elevação do plano a instituto com autonomia administrativa e financeira. “Superamos as mazelas daqueles anos 80”, comenta. Justifica: “Fizemos diversas reformas, entre as quais a administrativa, tributária, fiscal, social e ambiental, e com isso o município elaborou projetos que até hoje trazem benefícios; são obras inteligentes , obedecendo a um programa inteligente que propicia o crescimento urbano voltado para a satisfação integral dos anseios da comunidade”.

Esperançoso, lembra a máxima, segundo a qual “a cidade é um ser vivo”. E novamente adverte “Erra quem pensa que basta executar obras e pronto; não é verdadeiro dizer que a cidade está salva para o homem, porque o Planurb merece prestígio e deve ser constantemente acionado como instrumento indispensável ao desenvolvimento ordenado”.

Ou seja: obras urbanas exigem muito zelo e cuidado para conseguirmos uma cidade mais humana.
 

Leia mais no jornal Correio do Estado

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Alisson, Firmino e Marquinhos concorrem à Bola de Ouro
FUTEBOL

Alisson, Firmino e Marquinhos concorrem à Bola de Ouro

Gás é reajustado pela Petrobras e preço pode ultrapassar R$ 100 em MS
BOTIJÃO DE 13 QUILOS

Gás de cozinha terá aumento e preço pode ultrapassar R$ 100 em MS

Com problemas de saúde, Zeca do PT deixa presidência do partido
POLÍTICA

Com problemas de saúde, Zeca deixa presidência do PT

Em um ano, número de queimadas quase dobram em Campo Grande
MEIO AMBIENTE

Em um ano, número de queimadas quase dobram, aponta comitê

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião