Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

BANDA LARGA

Plano de massificação quer reduzir pirataria

Plano de massificação quer reduzir pirataria
27/03/2011 00:02 - AGÊNCIA BRASIL


O plano de massificação da banda larga deve reduzir a pirataria de produtos culturais no país, segundo o secretário executivo do Ministério da Cultura (MinC), Vitor Ortiz. “O fato de haver uma ampliação do acesso à internet faz com que aquela pirataria que é a mais combatida, que é a física, vá sendo superada”, disse ele, após participar de um debate sobre cultura digital.

A importância da massificação da banda larga na estratégia de combate à pirataria foi destacada pela ministra da Cultura, Ana de Hollanda, em encontro com o secretário de Comércio dos Estados Unidos, Gary Lock. Os dois se reuniram durante a recente visita do presidente dos EUA, Barack Obama, ao Brasil.

O comércio ilegal de produtos culturais foi um dos principais temas da conversa. “A pauta dele conosco era o combate à pirataria, mas não permitimos que fosse apenas isso”, disse Ortiz.

Segundo o secretário executivo do MinC, Ana de Hollanda destacou também que o país tem como prioridade massificar o serviço de banda larga.

A preocupação norte-americana com a pirataria de produtos culturais não é o único fator a ser considerado na discussão sobre a lei que muda a regulamentação dos direitos autorais. “O Brasil tem tratados internacionais assinados na Ompi [Organização Mundial da Propriedade Intelectual]. E esses acordos também estão envolvidos, de certa maneira, nesse debate. Isso porque, dependendo da posição que venha assumir, o país estará quebrando tratados internacionais, o que tem implicações no processo.”

O secretário ressaltou ainda que o país é soberano para tomar decisões em relação ao tema. O Brasil, assinalou Ortiz, tem mostrado ao mundo ser um país que tem produzido soluções que até então não haviam sido pensadas. “Estamos discutindo isso [a lei que muda a regulamentação dos direitos autorais] com mais franqueza, com envolvimento do governo federal.”

Felpuda


Político experiente tem repetido que não é o momento de falar em eleições. O momento é de tensão, de incertezas políticas e econômicas – como se o País fosse uma ilha de preocupações cercada pelo coronavírus por todos os lados. Em Mato Grosso do Sul, onde já se registrou morte pela doença e o número de casos só tende a subir, não poderia ser diferente. “É suicídio político para quem ousar falar em eleição neste momento”, conclui. Só!