PROGRAMA DE INVESTIMENTOS EM LOGÍSTICA

Plano de concessões inclui três rodovias e uma ferrovia em MS

Plano de concessões inclui três rodovias e uma ferrovia em MS
15/08/2012 16:00 - Gabriel Maymone


O governo federal lançou na manhã desta quarta-feira (15), em Brasília, a primeira etapa de um novo pacote de concessões para incentivar investimentos na infraestrutura do país. Ao todo serão investidos R$ 133 bilhões nos próximos 25 anos. Em Mato Grosso do Sul, o governo vai destinar a concessão das rodovias BR-163, 262 e 267 e o trecho de ferrovia Maracaju / Mafra (SC).

De acordo com o Programa de Investimentos em Logística, o modelo de concessão prevê a seleção das concessionárias pelo menor valor de tarifa de pedágio a ser cobrado dos usuários. Segundo o ministro dos Transportes, Paulo Passos, os concessionários que se responsabilizarem por cada um desses trechos só poderão começar a cobrar pedágio quando pelo menos 10% das obras previstas estiverem concluídas.

Conforme o cronograma das concessões, o edital de licitação das rodovias do estado deve ser divulgado até março de 2013, para ocorrer a licitação em abril e até julho acontecer a assinatura de contratos.

Ferrovia

O trecho ferroviário Maracaju / Mafra (SC) está incluso no 2º grupo das ferrovias, que terá licitação aberta até a metade do ano que vem, segundo previsão do governo.

Serão 10 mil quilômetros de novos trilhos – alguns trechos previstos no plano, como os que ligam Salvador a Recife e São Paulo a Rio Grande (RS), já existem, mas são muito antigos e serão completamente substituídos para permitir o deslocamento de trens em velocidades mais altas. 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".