Domingo, 18 de Fevereiro de 2018

Avaliação

Planejamento financeiro: Na hora de comprar, prevenir é melhor que remediar!

1 OUT 2010Por 16h:38

INFOMONEY

A velha máxima de que “prevenir é melhor do que remediar” se enquadra, talvez mais do que até em outros casos, no planejamento financeiro. Neste sentido, entende-se a importância de se manter fora dos registros de inadimplentes.
Na avaliação do economista e superintendente da ACSP (Associação Comercial de São Paulo), Marcel Solimeo, um consumidor que necessita sempre de crédito não pode se dar ao luxo de ter o nome vinculado ao SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) ou Serasa.
“Ele [consumidor] pode precisar de crédito em alguma situação de urgência, mas não ter acesso, por possuir restrição no cadastro. O que fazer?”
Segundo o economista, o ideal é o consumidor forme um histórico favorável do próprio nome. Assim, no momento da compra, por exemplo, ele não terá dificuldade em pleitear crédito.
Ter o nome incluído no SPC, avalia Solimeo, é sinal de descontrole nas finanças domésticas. Além disso, se a pendência não for resolvida, é certo que o consumidor terá dificuldades orçamentárias ainda mais graves no futuro.

Problemas
O que leva a uma pessoa ter restrição no crédito? Solimeo sustenta que esse é um problema que independe do indivíduo, de modo que, por exemplo, situações como o desemprego podem pegá-lo de surpresa a qualquer momento.
É fato, no entanto, que está ao alcance de qualquer pessoa controlar e evitar um eventual revés nos gastos. O jargão “prevenir é melhor que remediar” insere-se ao pé da letra nesse contexto.
Solimeo, alerta ainda para o uso fácil do crédito, afirmando que deve ser uma “facilidade que deve ser dosada”. Quem não tem controle sobre as finanças encontra com mais facilidade o caminho da inadimplência, tudo por meio do caminho do crédito fácil. “A alternativa seria poupar para depois comprar, o que implica postergar”, recomenda.
 

Leia Também