Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

MUDANÇA

Planalto: Mercadante na Casa Civil é especulação

Planalto: Mercadante na Casa Civil é especulação
21/01/2014 00:00 - Folhapress


O porta-voz da Presidência da República, Thomas Traumann, classificou ontem como "especulação" a ida do ministro Aloizio Mercadante (Educação) para a Casa Civil, no lugar de Gleisi Hoffmann.

Ele evitou negar, entretanto, reportagem da Folha de S.Paulo, que confirmou o convite feito pela presidente Dilma Rousseff ao ministro, que já teria, inclusive, iniciado a transição na pasta.

Dilma se reuniu ontem durante toda a tarde com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para discutir mudanças na reforma ministerial.

Além de Lula, participaram da reunião o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, e o ex-ministro Franklin Martins (Comunicação Social).

"A presidenta Dilma recebeu o ex-presidente Lula para a primeira reunião neste ano. Como sempre, discutiram sobre conjuntura, Copa e educação. Normal, padrão regular", informou o porta-voz.

Ele disse que anúncios relativos à reforma, entretanto, serão feitos após o retorno da presidenta Dilma para a Europa e Cuba.

Questionado se o Palácio do Planalto nega a substituição na Casa Civil, Traumann disse: "É só especulação. Todas as confirmações só serão feitas após o retorno da presidente Dilma da Europa e de Cuba".

Dilma viaja nesta quarta-feira para a Suíça, onde participa do Fórum Econômico Mundial. Depois, segue para Havana, em Cuba, para encontro com o presidente Raúl Castro e para o encontro da Celac (Cúpula dos Estados Latinoamericanos e Caribenhos). O retorno é previsto apenas para o meio da semana que vem. 

Felpuda


Ao que tudo indica, partido teria criado “racha” apenas visando jogar para a plateia, e, assim, quem estava com a corda toda anunciou que se prepara para o desembarque. Nos bastidores o que se ouve é que o tal fundo partidário seria o motivo da desavença e que quem nunca comeu mel quando come se lambuza. Só que não. A estratégia é continuar “dono” da atual legenda e “tomar a frente” de partido que está em fase embrionária. Tudo inspirado na “velha política”.