Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

MENSALEIRO

Pizzolato tem liberdade negada

7 FEV 14 - 13h:10FOLHA PRESS

A Justiça italiana negou hoje o pedido do ex-diretor do Banco do Brasil Henrique Pizzolato, condenado no ano passado a 12 anos e 7 meses de prisão no processo do mensalão, de aguardar em liberdade a decisão sobre a sua extradição para o Brasil.
Antes dessa decisão, em uma audiência realizada na manhã de hoje, em Bolonha (Itália), Pizzolato informou ao juiz que não pretende voltar ao Brasil.

O fato de Pizzolato ter entrado em território italiano portando documentos falsos, o que pode lhe render uma pena de até 3 anos, pesou na decisão do juiz. A defesa do ex-diretor do Banco do Brasil tinha alegado que não havia risco de fuga.

Prisão

Foragido desde novembro do ano passado, Henrique Pizzolato, o ex-diretor do Banco do Brasil condenado no processo do mensalão, foi preso na manhã de quarta-feira no norte da Itália.

Numa ação das polícias italiana e brasileira, ele foi detido em Maranello (a 322 km de Roma), onde vivia na casa de um sobrinho, com passaporte falso em nome de Celso, irmão morto em 1978 em um acidente de carro.

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse que o governo pedirá à Itália a extradição de Pizzolato. No entanto, ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) avaliam que a medida é "inócua". Para Celso de Mello, o pedido é "juridicamente inviável" já que Pizzolato possui cidadania italiana e as leis locais proíbem a extradição de seus cidadãos. Já a Procuradoria-Geral da República considera que existem brechas legais.

A partir de informação da polícia italiana de pedido de cidadania de residente, a Polícia Federal descobriu que Pizzolato havia falsificado documentos. O planejamento da fuga começou em 2007, cinco anos antes de ele ser condenado pelo STF a 12 anos e 7 meses de prisão pelo envolvimento no esquema do mensalão.

No momento da prisão, o ex-diretor do BB estava com a mulher e tinha 15 mil euros. "Ele jogou o nome da família na lama", disse a tia de Pizzolato no Brasil.
 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Reforço para combater <br> fogo no MS chega hoje
DE BRASÍLIA

Reforço para combater
fogo no MS chega hoje

Mais de 480 vagas de emprego ofertadas na Capital; Veja
OPORTUNIDADE

Mais de 480 vagas de emprego ofertadas na Capital; Veja

Para recapear mais, tapa-buraco é reduzido
SERVIÇOS

Para recapear mais, tapa-buraco é reduzido

Em Rio Verde, governador <br> anuncia R$ 119 milhões em obras
PROGRAMA

Em Rio Verde, governador
anuncia R$ 119 milhões em obras

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião