Campo Grande - MS, sábado, 18 de agosto de 2018

MANTEGA

Pior momento da inflação está passando

7 MAI 2011Por g108h:44

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta sexta-feira (6) que o resultado do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de abril indica que a trajetória da inflação começou a mudar. O índice do IBGE, considerado a inflação oficial do país, ficou em 0,77% em abril e acumula alta de 6,51% em 12 meses, ultrapassando o teto da meta estabelecida pelo Banco Central para este ano, de 6,5%.

Segundo Mantega, o índice de abril "ainda está alto", mas ficou abaixo do esperado pelo mercado.

“O pior momento da inflação está passando, está sendo deixado para trás em abril e, a partir de maio, os preços vão começar a cair no Brasil de modo que a inflação estará sobre controle", disse. "Nós já poderemos respirar em maio, esperando uma inflação do IPCA em torno de 0,45% a 0,50%”, acrescentou.

Mantega destacou que os preços das commodities está "caindo fortemente" no mercado internacional o que terá influência no preço dos alimentos e no dos combustíveis.

“O preço do etanol ao produtor já caiu bastante e logo mais chegará à bomba de gasolina e, portanto, já teremos uma queda nos preços da gasolina e do etanol a partir de maio”, disse.

"Estamos com uma forte desaceleração do preço das commodities que era uma das principais causas da inflação", acrescentou. "No Brasil, a safra agrícola já começou para vários produtos, os preços dos alimentos já estão caindo e, daqui para a frente, vão cair mais ainda", completou o ministro, que também destacou que está havendo um arrefecimento dos preços de serviços.

Consumidores de SP revelam 'truques' para escapar da inflação Inflação deve passar meta, mas economistas não veem descontrole “Estamos no chamado ponto de inflexão, ou seja, revertendo, num momento em que muda a direção da inflação para baixo”, disse.

Perspectivas para o ano
Apesar de o IPCA acumulado em 12 meses ter chegado a 6,51% em abril, o ministro considerou que a inflação no período "tecnicamente é considerada dentro da meta".

Para Mantega, a variação que superou levemente o topo da meta, que é 6,50%, ainda é considerada "na meta". "O que interessa para nós é a inflação de janeiro a dezembro, e essa não vai vai passar da meta. O que mais importa é olhar para frente e não olhar para trás", disse.

O ministro reafirmou que o governo não deixará o câmbio se valorizar para conter a inflação e considerou que as medidas implantadas até o momento, como o aumento do IOF para empréstimos no exterior, estão produzindo resultados "muito satisfatórios".

"A entrada de dólares valorizava o real, mas inflacionava a economia porque era um aumento de crédito mais barato do que as taxas do Banco Central", disse. "O fluxo excessivo parou".

Mantega também comentou que a captura e morte de Osama bin Laden é um evento político que pode ajudar a alavancar a economia dos Estados Unidos. "A economia americana está andando de lado, com previsão de crescimento de 2,8% para este ano. Quem sabe agora mude e acelere um pouco".

Leia Também