Sábado, 24 de Fevereiro de 2018

futebol

Philippe diz que Inter está empolgada com torneio

15 DEZ 2010Por FOLHA ONLINE09h:14

Machucado, o meia-atacante Philippe Coutinho, da Inter de Milão, lamentou muito o fato de não poder jogar o Mundial de Clubes da Fifa e destacou que os seus companheiros de equipe estão empolgados com o torneio.

O ex-vascaíno sofreu um estiramento muscular na coxa em um treino em novembro e não foi relacionado pelo técnico Rafa Benítez para a competição de Abu Dhabi, mas, mesmo assim, viajou com a equipe. Ele só deve voltar a jogar em janeiro.

Agora, resta ao jogador torcer pelos seus colegas, que estreiam no torneio nesta quarta-feira, às 15h (de Brasília), contra o sul-coreano Seongnam.

O ex-vascaíno afirmou que a Inter de Milão dá muita importância para o Mundial, diferentemente dos comentários feitos no Brasil de que os clubes europeus não disputam os jogos com muita vontade.

Philippe,18, foi apresentado oficialmente em julho como atleta da Inter de Milão, clube que vem de conquistas do Campeonato Italiano, a Copa Itália e a Copa dos Campeões da Europa.

Porém, na atual temporada, a equipe viu muitos atletas importantes, como os brasileiros Maicon e Júlio César, se machucarem, não repetiu o mesmo desempenho dentro de campo e ainda busca decolar nas competições.

Ainda na Itália, antes de viajar para Abu Dhabi, o atleta conversou com a Folha.

Mesmo com a contusão, você ainda tinha esperança de jogar o Mundial?

Tinha esperança, sim. Estava louco para jogar o Mundial. Sempre pensava em jogar esse torneio. Desde que eles [jogadores da Inter] se classificaram [com o título da Copa dos Campeões, em maio] eu pensava nisso. Naquela época, eu ainda estava no Vasco, mas já estava certo que eu jogaria aqui no segundo semestre. Fiquei meio triste com o que aconteceu [ o estiramento muscular]. Mas é o futebol. Apesar da contusão, restava uma esperança quando procurei o meu nome na lista e não o encontrei.

Como foi que você se machucou?

Foi um lance sozinho. Fui tocar na bola e senti uma dor muito forte. Nunca tinha sentido uma dor assim. Vi logo que era grave. Eles [ médicos, da Inter de Milão] me levaram logo para fazer um exame. Foi um estiramento muscular. Falaram que em janeiro eu ficarei bom, mas depende muito do andamento da recuperação. Pode ser que eu melhore antes disso.

Vários jogadores da Inter se machucaram nesse período. A bruxa está solta?

É verdade. A bruxa está solta. Muita gente se machucou parecido, com problemas musculares. A maioria, agora, está voltando da recuperação. Mas eu ainda continuo fora. A bruxa pegou mais de dez jogadores. É muita gente.

A Inter vem de uma temporada vitoriosa, mas no segundo semestre enfrentou uma fase difícil. Como está a pressão?

O time venceu tudo na temporada passada. Parece que isso ajudou no momento em que a equipe não vence. Há uma pressão, a torcida enche o estádio. Mas não vi muita cobrança. Eles [torcedores] estão nos apoiando.

Apoiam também o treinador Rafa Benítez?

Sim. A torcida canta o nome dele. Ele tem me ajudado muito desde que eu cheguei aqui. Ele é muito gente boa.

No Brasil, comenta-se que os clubes europeus não dão tanta importância para o Mundial da Fifa. Como a Inter de Milão encara esse torneio?

Com muita vontade de vencer. É um torneio muito importante, sim. Todos querem jogar. O time está motivado. Vai entrar com tudo, 100%. Todo mundo fala desse campeonato, fala de vencer. O pessoal está empolgado.

Apesar dessa contusão, 2010 foi um ano especial para você?

Foi sim, sem dúvida. Comecei o ano no Vasco ainda na reserva, mas fui ganhando o meu espaço no Campeonato Carioca e tive uma sequência de jogos. Tive a oportunidade de jogar aqui [na Inter], atuei como titular, fui para a seleção brasileira, foi um ano muito bom.

Leia Também