Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

PF investiga empresas por repasse de insumos usados no narcotráfico

28 MAR 10 - 01h:00
A Polícia Federal está investigando quatro empresas suspeitas de repassar para o narcotráfico produtos químicos utilizados para síntese, refino e adulteração de drogas. Uma das empresas já está com a investigação oficialmente aberta e três aguardam a finalização de trâmites burocráticos para oficializar as investigações. Elas estão entre quase uma centena de empreendimentos do ramo de fármacos, produtos químicos e de bebidas que, no universo de 20 mil fiscalizados pela PF, apresentaram algum tipo de irregularidade nas informações prestadas à entidade sobre estoque, comércio, movimentação, transformação e perda de 146 produtos químicos controlados. De acordo com o chefe de fiscalização da Divisão de Controle de Produtos Químicos (DCPQ) da Federal, o perito criminal federal Marcos Camargo, a entidade faz o acompanhamento também das misturas e diluições que envolvem esses produtos, a fim de evitar que eles sejam desviados para o narcotráfico. Camargo lembra que a legislação equipara o desvio de produtos químicos destinados à preparação das drogas ao crime de tráfico de drogas. “Existe um jargão que diz: ‘Sem produtos químicos não há drogas’. Dessa forma, a ideia do controle é, por um lado, preventiva porque impede o acesso ilícito a produtos químicos necessários à produção da droga e, com isso, evita a produção e a distribuição no mercado. Por outro lado, é repressiva porque identifica focos de desvio e estanca o fornecimento ao narcotráfico, além de ajudar na investigação visando à punição dos envolvidos”, disse Camargo à Agência Brasil. Entre as substâncias, o perito destaca a efedrina, cafeína, lidocaína, ácido sulfúrico, ácido clorídrico, óleo de Safrol, éter e acetona. Com a dificuldade para a comercialização dos 146 produtos controlados, criou-se um mercado negro, com lucros estimados em até 300% do valor original. “Todo desvio é uma irregularidade, mas nem toda irregularidade é de desvio. Por isso criamos ferramentas que nos permitem avaliar se a irregularidade pertence a um campo meramente administrativo ou se é fruto de desvio para o narcotráfico”, explicou o perito.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Atraso do Reviva prejudica <br>comércio e 35 lojas já fecharam
CAMPO GRANDE

Atraso do Reviva prejudica comércio e lojas fecham

Banco será  responsável por aditivo <br>em obra do Reviva Centro
REVIVA CAMPO GRANDE

Banco será responsável por aditivo
em obra do Reviva Centro

Sanesul pode perder concessão de serviços de saneamento em Dourados
IMPASSE

Sanesul pode perder concessão de serviços em Dourados

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta quarta-feira: "Ganância desenfreada"

Mais Lidas