Campo Grande - MS, sábado, 18 de agosto de 2018

brasil - bolívia

PF e boliviana realizam Operação Brabo para inibir crimes na fronteira

28 MAR 2011Por com informações Agência Brasil e Polícia Federal16h:54

Policiais federais e da Bolívia deram início neste domingo (27) a Operação Bolívia-Brasil – Brabo, que pretende reprimir crimes nas região de fronteira como tráfico de drogas, armas, de pessoas e animais silvestres, além de descaminho e evasão de divisas. O trabalho conjunto com a Força Nacional de Segurança irá desenvolver ações de fiscalização na fronteira no posto Esdras da Receita Federal e nas demais vias comumente usadas para o transporte de produtos ilícitos, entre eles, o Aeroporto Internacional de Corumbá e as águas do Rio Paraguai.

Segundo informações do delegado da Polícia Federal de Corumbá, Alexandre do Nascimento, as fiscalizações ocorrem nos mesmos moldes da Sentinela – fronteira com Ponta Porã – e irá ocorrer de maneira ostensiva sem data para terminar. De acordo com ele outras operações do Exército e da Marinha serão desencadeadas paralelamente.

Acordo

Até a quarta-feira um acordo de cooperação deve ser assinado pelo Brasil e Bolívia prevendo inclusive a participação dos Estados Unidos no combate ao tráfico de drogas e ao crime organizado nos dois países sul-americanos. Segundo a Agência Boliviana de Informação, caberá ao governo brasileiro oferecer treinamento, capacitação e equipamentos às forças policiais bolivianas, mas a atuação conjunta servirá apenas para erradicar a produção de coca considerada excedente.

No país vizinho, a folha da coca, além de bastante consumida na forma de chá ou mastigada in natura, é vista como uma planta medicinal e um patrimônio cultural.

A previsão inicial era a de que o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, viajasse hoje (28) de manhã para La Paz, mas, segundo a assessoria do ministério, compromissos ministeriais retardaram a partida, remarcada para a madrugada de amanhã (29). Na capital boliviana, o ministro se reunirá com o ministro de Governo do país andino, Sacha Llorenti.

Além do projeto piloto antidrogas envolvendo Brasil, Bolívia e Estados Unidos, Cardozo e Llorenti assinarão também um acordo de cooperação jurídica e um termo estratégico de cooperação policial.

A visita do ministro da Justiça brasileira ocorre três dias após o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, encerrar a primeira visita oficial da diplomacia brasileira à Bolívia após a posse da presidente Dilma Rousseff. A provável participação dos Estados Unidos no acordo ocorre dois anos após o governo boliviano ter expulsado a Agência de Combate às Drogas (DEA, na sigla em inglês) do país, alegando que os agentes norte-americanos teriam participado de uma conspiração contra o governo do presidente Evo Morales.

Ontem (27), o vice-ministro da Defesa Social, Felipe Cáceres, informou à Agência Boliviana de Informação que uma comissão composta por especialistas brasileiros e bolivianos se reúne a partir de hoje (28) para definir os termos do convênio bilateral de combate ao narcotráfico nos cerca de 3,4 mil quilômetros de fronteiras.

Segundo Cáceres, Brasil e Bolívia atuarão de forma integrada nas áreas de informação policial, operações conjuntas, tarefas de inteligência e investigação e controle migratório, entre outros. Para o vice-ministro boliviano, o fortalecimento da cooperação entre os dois países vizinhos é essencial e deve levar em consideração a soberania nacional e o respeito à integridade territorial, a responsabilidade compartilhada e o respeito à não intervenção em assuntos internos e aos direitos humanos.
 

Leia Também