Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

domingo, 17 de fevereiro de 2019 - 13h04min

Diplomas falsos

PF detona máfia dos diplomas falsos

30 JUN 10 - 07h:21
Silvia Tada e karine cortez

A Polícia Federal desmantelou uma verdadeira máfia de diplomas falsos, que agia em Mato Grosso do Sul e outros estados. Cinquenta e nove mandados de busca e apreensão foram cumpridos, na manhã de ontem, por policiais federais em oito cidades de Mato Grosso do Sul e em mais seis estados (Mato Grosso, São Paulo, Espírito Santo, Paraná, Rio de Janeiro e Santa Catarina). As ações fazem parte da Operação Formatura, deflagrada a partir de investigações iniciadas em MS, desde 2008, contra a venda de certificados de cursos técnicos e diplomas de ensino fundamental e médio a distância. Foram feitas apreensões de documentos nas sedes de empresas e nas residências dos responsáveis. Na Capital, a quadrilha agia por pelo menos oito anos.

Ao todo, conforme informou o delegado da Polícia Federal, José Otacílio Della-Pace Alves, dez pessoas foram indiciadas e responderão pelos crimes de estelionato, formação de quadrilha e falsidade ideológica. Desse total, cinco são de Mato Grosso do Sul, sendo três em Campo Grande, uma em Corumbá e uma em Nova Andradina.

Entre as empresas acusadas da fraude estão o Instituto de Desenvolvimento, Estudo e Formação de Mão de Obra de Mato Grosso do Sul (Idefor), com sede na antiga rodoviária de Campo Grande, Centro Preparatório Unificado (CPU), localizado na Rua Rui Barbosa, e a Paulistec, alvo de operação da Polícia Civil no início do mês, que resultou no fechamento da empresa, com seis pessoas indiciadas.

O delegado disse ainda que diversos documentos como diplomas, provas e certificados, além de computadores foram apreendidos e serão submetidos a análises. As provas, por exemplo, passarão por perícia grafotécnica para comprovação de que o próprio aluno é quem respondia as questões. “Há indícios de que não eram eles que faziam a prova e ainda de que os candidatos não frequentavam as aulas”, declarou.

As investigações começaram há dois anos, a partir de uma denúncia feita via internet por clientes que tiveram o diploma rejeitado por suspeita de fraude e por conselhos regionais de enfermagem e contabilidade. O fato de os conselhos estarem sendo vítimas desses diplomas é que levou a Polícia Federal a conduzir o caso. “Os conselhos são órgãos vinculados a entidades federais e por isso passamos a investigar”, disse o delegado.

Cidades
Foram cumpridos 14 mandados em Campo Grande, quatro em Nova Andradina, dois em Sidrolândia e um em Alcinópolis, Rio Negro, Corumbá, Ponta Porã e Ivinhema.

Em Mato Grosso, houve busca em Rondonópolis. Em São Paulo, a PF esteve em São José do Rio Preto, onde foram cumpridos seis mandados, além de Dracena, São Carlos, Sorocaba e na capital paulista. Outras cidades foram Serra (ES), Curitiba (PR), Pinhais (PR), Rio de Janeiro (RJ) e, no Estado de Santa Catarina, em Joinville, São José, Jaraguá do Sul, Blumenau e Gaspar. No total, 59 equipes de policiais federais atuaram na Operação Formatura.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Crianças são encontradas mortas em desabamentos após temporal
INTERIOR SP

Crianças são encontradas mortas em desabamentos após temporal

PREÇOS DOS COMBUSTÍVEIS

Após três quedas seguidas, gasolina volta a subir em Campo Grande

Etanol apresentou redução e diesel ficou estável, segundo ANP
Candidatos chegam mais cedo por preocupação com mudança no horário
CONCURSO PÚBLICO

Candidatos chegam mais cedo por preocupação com horário

Em janeiro, 490 empresas foram abertas em Mato Grosso do Sul
ECONOMIA REGIONAL

Em janeiro, 490 empresas foram abertas em Mato Grosso do Sul

Mais Lidas