INÉDITO

PF aponta que Filho de ex-ministra cobrava por lobby

PF aponta que Filho de ex-ministra cobrava por lobby
28/07/2012 08:36 - Terra


Um relatório inédito da Polícia Federal mostra que Israel Guerra, filho da ex-ministra da Casa Civil Erenice Guerra, e Vinícius de Oliveira Castro, então assessor da pasta, operaram para ganhar dinheiro por meio de consultorias a empresários interessados em contratos com o governo. A constatação é resultado de uma investigação de quase dois anos que elenca 13 tópicos a serem apurados. No entanto, por considerar que houve falta de provas de tráfico de influência, o Ministério Público pediu e a Justiça Federal mandou neste mês arquivar o inquérito. A influência de Erenice não ficou comprovada.

Para chegar a essa conclusão, a polícia ouviu dezenas de depoimentos, analisou contratos entre diversas empresas e o governo e quebrou o sigilo telefônico, fiscal e bancário dos envolvidos. Substituta de Dilma Rousseff na Casa Civil, Erenice deixou o cargo em 2010 após o empresário Rubnei Quícoli declarar que Israel cobrou dinheiro para viabilizar empréstimo no BNDES. Não houve pagamento de Quícolo, mas a polícia identificou um caso em que Israel e Vinícius receberam R$ 40 mil e um cliente conseguiu patrocínio público. Apesar do MP ter arquivado o inquérito, a PF viu indícios de sonegação e lavagem de dinheiro e, por isso abriu um novo processo, do qual a ex-ministra não é alvo. Durante a investigação sobre tráfico de influência, a PF também apreendeu e-mails que mostram pedidos de Erenice para conseguir empregar no governo parentes seus ou pessoas ligadas a eles.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".