Quinta, 22 de Fevereiro de 2018

fiel da balança

Petroquímica aposta no mercado interno

9 JAN 2011Por André Magnabosco (AE)00h:00

O mercado brasileiro deverá ser, novamente, o grande fiel da balança da cadeia petroquímica em 2011. Assim como se imaginava no final de 2009, em relação a 2010, o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) nacional deverá compensar a debilidade das economias de países europeus e dos Estados Unidos para os negócios das petroquímicas nacionais. Como resultado, a demanda doméstica por resinas termoplásticas deve crescer entre 5% e 8% em 2011, acima, portanto, da projeção para o PIB, puxada por produtos como o PVC.

A construção civil, principal mercado de aplicação do PVC, é um exemplo do que deverá ocorrer com a indústria petroquímica brasileira em 2011. Após crescer 11% neste ano, o PIB do setor deverá apresentar alta de 6% no próximo ano, segundo o Sinduscon-SP. “O ano de 2011 será um ano de continuidade do crescimento”, sintetiza o novo presidente da Braskem, Carlos Fadigas.

Apesar de a projeção para o consumo de resinas em 2011 apontar crescimento de 2 a 5 pontos porcentuais inferior a 2010, quando a alta deverá ficar em aproximadamente 10%, os números são considerados positivos pelo setor uma vez que partem de uma base bastante robusta de demanda neste ano. “Tivemos um ano de forte crescimento em 2010 e temos uma visão de manutenção (de trajetória) em 2011”, concorda o presidente da Quattor, Luiz de Mendonça.

O perfil das vendas domésticas também deverá seguir o que ocorreu em 2010, prevê o vice-presidente da Unidade de Negócios de Polímeros da Braskem, Rui Chammas. “Vimos um crescimento muito forte no mercado de embalagens e na construção civil”, afirmou.

Leia Também