Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, terça, 11 de dezembro de 2018

2013

Petrobras investirá US$ 350 mi em terminal flutuante do pré-sal

23 MAI 2011Por REUTERS RIO17h:42

A Petrobras espera receber em no máximo 45 dias as propostas para construção do navio que fará parte do terminal flutuante de tancagem para escoar parte da produção do pré-sal a partir de 2013, com custo estimado de US$ 350 milhões, informou o diretor de Abastecimento da estatal, Paulo Roberto Costa.

"Semana passada abrimos licitação internacional com quantidade bastante grande de empresas e deveremos ter proposta dentro de 30 a 45 dias", disse Costa.

"Vamos fazer um (terminal flutuante), que deve entrar em 2013, e depois vamos ter mais uns três ou quatro terminais", adicionou o executivo.

A unidade de armazenamento ficará a 90 quilômetros da costa, entre o norte do Estado de São Paulo e o sul do Estado do Rio de Janeiro, e usará uma nova tecnologia.

Segundo ele, o terminal vai contar com um navio do tipo FSO (navio flutuante), que está sendo licitado, com capacidade de estocar entre 2 milhões e 3 milhões de barris de óleo.

"Vamos fazer terminais em alto mar porque hoje os terminais de São Sebastião (SP) e Angra dos Reis (RJ) estão no limite. Serão terminais com tecnologia nova e diferente, para atender o crescimento gigantesco de produção do pré-sal", disse o diretor em evento dobre logística da Apimec-RJ, associação de analistas de mercado do Estado do Rio de Janeiro.

A ideia com a construção desses terminais de tancagem no mar é reduzir custos de logística, uma vez que a produção do pré-sal está a cerca de 300 quilômetros da costa brasileira. Segundo o executivo, em vez de longas viagens até a terra firme, navios do tipo posicionamento dinâmico, conhecidos como DP, vão transferir o óleo das plataformas de produção para esse terminal flutuante.

Caberá a navios convencionais levar o óleo para as refinarias em terra ou direcionar para exportação.

"Pode ser navio existente, navio existente modificado ou navio construído. A grande tendência é que seja um navio existente", finalizou o diretor da Petrobras ao se referir à licitação para a construção do FSO.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também