Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Pesquisas mostram que brasileiros querem consumir ainda mais

20 AGO 10 - 12h:45
     A intenção de consumo das famílias brasileiras aumentou pelo quarto mês consecutivo, atingindo em agosto 134,4 pontos, uma alta de 0,7% sobre os 133,6 pontos registrados em julho. É o que revela a Pesquisa de Intenção de Consumo divulgada hoje (19) pela Confederação Nacional do Comércio (CNC). Já o número de endividados no país aumentou de 57,7% em julho para 59,1% em agosto, como mostra a Pesquisa sobre Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), também divulgada hoje pela instituição.

                Segundo a CNC, o resultado de agosto foi influenciado principalmente pela satisfação das famílias com os empregos atuais (alta de 2% em relação ao mês anterior) e pelo otimismo com a perspectiva profissional (alta de 1,2% sobre julho).

                A Região Sudeste registrou a maior alta (1,9%) nas intenções de consumo e as famílias mais ricas contribuíram com 1,1% para esta elevação.

                Segundo o economista da CNC Fábio Bentes, a pesquisa sobre a intenção de consumo das famílias brasileiras é uma tentativa de antecipar o comportamento do consumidor. Já a pesquisa sobre endividamento e inadimplência tem como objetivo avaliar a capacidade de pagamento das pessoas. ?Avalia não só o endividamento, mas como elas [as pessoas] estão se comportando com esse compromisso. Se elas estão mais ou menos inadimplentes de um mês para o outro?, disse.

                A Peic mostra que, entre os endividados, apenas 9,7% das famílias com renda até 10 salários mínimos e 2,9% com renda superior a esse patamar não terão condições de quitar as dívidas em agosto, o que caracteriza estabilidade em relação aos resultados de julho (9,9% e 2,3% respectivamente).

                De acordo com o economista Bruno Fernandes, também da CNC, a pesquisa está muito ligada às condições de emprego e de crédito. Ele disse que os dados oficiais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho são fortes instrumentos para entender os números da pesquisa.

                ?Revelam exatamente que, naquelas regiões onde o emprego e a renda estão se comportando de maneira mais favorável, a satisfação do consumidor e a sua perspectiva para o consumo futuro tendem a se elevar. A mesma coisa acontece com o crédito, uma variável importante para a gente tentar entender como o consumidor está se preparando para o consumo?, disse ele.

                Ele ressaltou que o Nordeste foi a região com maior nível de endividamento no mês de agosto, devido ao crescimento mais forte do mercado de trabalho. ?O crescimento, principalmente da renda real, e o alongamento do crédito estão fazendo com que as pessoas possam se endividar ainda mais?, enfatizou.

                A pesquisa foi feita com base em 18 mil questionários aplicados em todas as capitais do Brasil.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Polícia apreende 255 quilos de cocaína em carreta construída para o tráfico
PREJUÍZO AO TRÁFICO

Polícia apreende 255 quilos de cocaína em carreta construída para o tráfico

Ação pede anulação de questões de prova de concurso para professores
SUPOSTAS IRREGULARIDADES

Ação pede anulação de questões de prova de concurso para professores

Bolívia e gigante russa fecham acordo para venda de ureia ao Brasil
GÁS NATURAL

Bolívia e gigante russa fecham acordo para venda de ureia ao Brasil

Fernanda Montenegro chega aos 90 anos com carreira de sucesso
ATRIZ

Fernanda Montenegro chega aos 90 anos com carreira de sucesso

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião