Segunda, 19 de Fevereiro de 2018

efeitos

Pesquisa testará limites do uso recreativo do álcool

29 JAN 2011Por FIOCRUZ22h:00

Estudo realizado na Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz) investiga a relação entre a menor concentração de alcool consumido por um indivíduo e seus efeitos clínicos e psicocomportamentais. Um dos objetivos do trabalho é orientar a reformulação da lei 11.705/08 que estabelece um limite mínimo de tolerância da concentração de álcool no sangue, e, de acordo com seus pesquisadores, não possui embasamento científico.

Para formar esse painel, os pesquisadores contam com 400 pessoas, entre homens e mulheres, com Índice de Massa Corporal (IMC) considerado normal e obesos, que foram divididos em duas faixas etárias: entre 20 e 40 anos e entre 40 e 60 anos. "O álcool utilizado nesta pesquisa é a cerveja, escolhida por ser uma bebida bastante popular e a mais consumida no Brasil. Já começamos a fazer algumas coletas. Os participantes ingerem o álcool em condições controladas e nós fazemos coletas de sangue e urina para exames clínicos e também realizamos exames neurocomportamentais e psicotécnicos para, assim, estabelecer qual é a menor concentração de etanol que leva um indivíduo a ter prejuízo cognitivo, como nos seus reflexos e na sua capacidade motora, por exemplo", explicou o aluno do curso de mestrado em saúde pública e meio ambiente, Arthur de Mello Prates, responsável pela pesquisa.
 

Leia Também