Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Pesquisa mostra genéricos 56% mais baratos que medicamentos de referência

Pesquisa mostra genéricos 56% mais baratos que medicamentos de referência
11/03/2014 20:00 - Terra


Pesquisa feita pela Fundação Procon-SP - órgão vinculado à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania de São Paulo - em farmácias e drogarias da capital, constatou que os medicamentos genéricos são em média 56,51% mais baratos do que os de referência. Segundo a pesquisa, é possível encontrar medicamentos genéricos com diferenças de preços que chegam a até 881,88%.

Um dos medicamentos genéricos citados na pesquisa, o Nimesulida, 100 mg, 12 comprimidos, custava R$ 1,60 em um estabelecimento e em outro, R$15,71, uma diferença de R$ 14,11 em valor absoluto. No caso dos remédios de referência, a maior diferença foi de 259,99%. O Amoxil (Amoxicilina), Glaxosmithkline, 500 mg, 21cápsulas, foi encontrado com preços de R$ 14,67 e de R$ 52,81 - diferença de R$ 38,14 em valor absoluto, ou 260%.

A pesquisa verificou os preços de 58 medicamentos, em 15 redes de drogarias nas cinco regiões da capital paulista, no mês de fevereiro. A diretora de Estudos e Pesquisas do Procon-SP, Valéria Garcia, observou que a diferença de preços é grande, e os medicamentos genéricos são, em geral, mais baratos. "Mas é bom lembrar que um genérico de um mesmo laboratório também pode apresentar preços diferentes entre as drogarias, logo, é essencial a pesquisa de preços sempre aliada à recomendação e prescrição médica".

Felpuda


Prefeitura de município do interior de MS recebeu recomendação do Ministério Público do Estado no sentido de exonerar servidores comissionados, livres do cartão de ponto, que são parentes de secretários da administração e de vereadores. O nepotismo se tornou um excelente “negócio” por lá, e se até o dia 6 de agosto as devidas providências não forem tomadas, medidas serão adotadas, como ação por improbidade administrativa. Tem gente que não aprende mesmo, né?