quarta, 18 de julho de 2018

PRODUTOS DE NATAL

Pesquisa do Procon aponta variação de até 93% nos preços

1 DEZ 2010Por Edivaldo Bitencourt00h:30

Primeira pesquisa do Natal 2010 aponta variação de até 93,68% nos preços de panetones, frutas secas, espumantes, vinhos e carnes consumidos nas festas de fim de ano. Realizado nos dias 25 e 26 do mês passado pelo Procon, com 263 produtos em nove estabelecimentos, o levantamento serve de referência para o consumidor na hora das compras. “A variação é muito grande”, concluiu o superintendente estadual do órgão, Lamartine Ribeiro.

A maior variação foi encontrada no setor de refrigerantes. O guaraná Kuat pode ser encontrado entre R$ 2,06 e R$ 3,99 na Capital. A segunda maior diferença foi constatada nos preços do vinho, de 75,77%. A garrafa de 750 ml da marca Marcus James Cabernet custa R$ 10,98 em um estabecimento, mas pode sair por até R$ 19,30 em outro. Se pesquisar, o consumidor pode economizar R$ 8,19, valor suficiente para adquirir um quilo de pernil com osso da Sadia, cujo preço tem variação de 41,39% (entre R$ 8,19 e R$ 11,58).

A maior oscilação no preço do espumante ou champagne é de 55,44%, entre R$ 9 e R$ 13,99, no caso do Salton Brut de 750 ml. O tradicional filtrado Chuva de Prata mais barato sai por R$ 5 num estabelecimento, mas pode custar 58% mais caro em outro, onde sai por R$ 7,90.

Ave e panetone
Por outro lado, a variação é mínima no caso do quilo das carnes de aves. Só o quilo do peito de peru sem osso temperado da Sadia tem a diferença mais significativa, de 28,08%, entre R$ 19,45 e R$ 24,90. O Chester temperado Pergidão apresenta variação de 10,9%, entre R$ 9,90 e R$ 10,98.

O tradicional produto de Natal, o panetone tem variação de até 56,3%. Este é o percentual verificado no custo do Village mega chocolate 700g, que tem preço oscilando entre R$ 14,90 e R$ 23,29.

O superintendente do Procon orienta que o consumidor tenha a pesquisa como referência antes de realizar as compras de Natal. Ele explica que a compra pode até ser feita no bairro, considerando-se os gastos com deslocamentos, porque nenhum das nove lojas pesquisadas apresenta os menores preços em todos os itens.

Nova pesquisa será divulgada no dia 21 deste mês. O levantamento está disponível no sitio www.procon.ms.gov.br.

Leia Também