Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Perícia encontra provas contra Alexandre Nardoni

19 ABR 08 - 21h:00
     

        Da redação

        Alexandre Nardoni jogou a filha Isabella do 6.º andar do Edifício Residencial London. Essa é a principal conclusão do laudo final feito pelo Instituto de Criminalística (IC). A prova que "pôs o pai na cena do crime" era considerada um trunfo para a polícia e foi mantida em segredo pelos peritos até sexta-feira, quando o casal Alexandre e Anna Carolina Jatobá voltou a prestar depoimento. Tratava-se de um exame que demonstra a presença de micropartículas de náilon e de poeira na camisa do pai, as mesmas da tela de proteção da janela de onde a menina foi arremessada em 29 de março. Elas ficaram impressas na roupa como uma tatuagem invisível a olho nu, reproduzindo a trama.

        Essa é a prova de que Alexandre se apoiou na rede, como o assassino seria obrigado a fazer para jogar a criança. Ela é considerada definitiva pelos peritos, pois mostra que Alexandre é o autor do crime. Nas mais de cem páginas do laudo, essa prova se soma a outras que demonstram a presença do pai no quarto de onde Isabella foi arremessada.

        Nas seis vezes em que estiveram no apartamento da Rua Santa Leocádia, os peritos puderam esquadrinhar o imóvel. Eles usaram uma pessoa com as mesmas medidas - peso, altura e compleição física - de Alexandre para simular a mecânica do crime. Queriam saber, por exemplo, como e onde ficariam as marcas da tela de proteção na camisa dessa pessoa se ela tivesse jogado a criança pela janela. A conclusão é de que as marcas seriam exatamente iguais às encontradas na camiseta que Alexandre vestia na noite do crime.

        Os peritos chegaram à seguinte conclusão: Alexandre entrou no quarto com Isabella no colo. Pôs a menina sobre a cama enquanto cortava a tela de proteção com uma faca e uma tesoura - ele tinha pressa, daí a troca de instrumento, pois o primeiro não cortou direito a tela.

        Feito o buraco, o acusado apanhou de novo a criança e se dirigiu até a janela. Começou a subir na cama, desequilibrou-se e o pé esquerdo entrou no vão entre as camas, fazendo o assassino deixar uma pegada no lençol. O IC constatou que a pegada era característica do solado do chinelo que Alexandre usava na noite do crime - na sola havia sangue de Isabella.

        O criminoso se apruma, ajoelha-se na cama e encosta o peito na tela. Passa as pernas enquanto segura a criança pelas mãos, a 20 metros de altura. Primeiro solta a mão esquerda e, em seguida, a direita. Os dedos da menina deslizam pelo parapeito, deixando um rastro de sangue. Isabella ainda vivia. Só o impacto da queda é que determinaria a morte. (informações do Estadão)

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Alisson, Firmino e Marquinhos concorrem à Bola de Ouro
FUTEBOL

Alisson, Firmino e Marquinhos concorrem à Bola de Ouro

Gás é reajustado pela Petrobras e preço pode ultrapassar R$ 100 em MS
BOTIJÃO DE 13 QUILOS

Gás de cozinha terá aumento e preço pode ultrapassar R$ 100 em MS

Com problemas de saúde, Zeca do PT deixa presidência do partido
POLÍTICA

Com problemas de saúde, Zeca deixa presidência do PT

Em um ano, número de queimadas quase dobram em Campo Grande
MEIO AMBIENTE

Em um ano, número de queimadas quase dobram, aponta comitê

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião