BRASÍLIA

Perícia é finalizada no cemitério onde policial federal foi morto

Perícia é finalizada no cemitério onde policial federal foi morto
18/07/2012 10:20 - G1


A Polícia Civil do Distrito Federal finalizou por volta das 9h15min desta quarta-feira (18) o trabalho de perícia no Cemitério Campo da Esperança onde um agente federal foi morto a tiros durante a tarde dessa terça (17). A equipe responsável por investigar as causas do crime trabalha com as hipóteses de latrocínio, roubo seguido de morte, mas não descarta a possibilidade de execução.

Wilton Tapajós Macedo trabalhava na Polícia Federal desde 1987 e atualmente estava no núcleo de inteligência que investigou o bicheiro Carlinhos Cachoeira, preso em 29 de fevereiro deste ano durante a operação Monte Carlo.

A PF acompanha o trabalho realizado no cemitério e se for constatado que houve execução, passa a comandar as investigações. Se a equipe entender que foi latrocínio, a Polícia Civil dará sequência às buscas.

Em nota enviada nesta terça, a empresa Campo da Esperança informou que não pode restringir o acesso ao cemitério e que os visitantes não são revistados. A empresa informou ainda que quatro equipes com quatro seguranças armados trabalham, em escala, 24 horas no local.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".