Perícia da Justiça francesa sustenta culpa de Air France e Airbus por queda de avião

Perícia da Justiça francesa sustenta culpa de Air France e Airbus por queda de avião
11/07/2012 19:00 - AGÊNCIA BRASIL


Peritos da Justiça francesa defendem o indiciamento das empresas Air France e Airbus por homicídio culposo – sem a intenção de matar – pelo acidente com o avião A330, que fazia trajeto do Rio de Janeiro a Paris em 2009 e caiu no Oceano Atlântico, próximo à costa brasileira, resultando na morte de 228 pessoas. Os peritos apresentam relatório ontem (10), em reunião a portas fechadas em Paris, aos parentes das vítimas.

Na França, diferentemente do Brasil, as empresas podem ser processadas e julgadas nos âmbitos criminal e penal. Apesar das avaliações técnicas dos peritos terem sido semelhantes às do relatório do Escritório de Investigações e Análises da França (BEA, na sigla em francês), divulgado na última semana, os peritos enfatizaram maior responsabilidade das empresas no acidente por não considerarem satisfatória a explicação de que a queda do avião foi provocada apenas por erros da tripulação, conforme relatos dos parentes.

De acordo com a avaliação da juíza responsável pelo caso, a francesa Sylvia Zimmermann, as dez falhas eletrônicas identificadas no avião impossibilitavam qualquer piloto de reagir adequadamente perante a situação.

O BEA apontou falhas humanas e técnicas que levaram ao acidente – como o congelamento de sensores e de instrumentos de velocidade e a perda de controle por parte da tripulação.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".