Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

BRASIL/MUNDO

Perfil falso de Bolsonaro postou ataque 7 dias antes

Perfil falso de Bolsonaro postou ataque 7 dias antes
09/04/2011 06:00 - yahoo


Um perfil anônimo no Orkut postou, sete dias antes da chacina na escola Escola Municipal Tasso da Silveira, uma mensagem que falava de uma chacina num colégio do Rio de Janeiro. O texto, que também foi publicado por um perfil falso do deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) na mesma rede social, num fórum que debate o bullying afirma que "em breve teremos um documentário estilo Columbine nas telinhas nacionais", se referindo ao massacre na escola americana em Littleton, Colorado, que terminou com 13 mortos e 25 feridos .

"Nem estou chorando, apenas me preparando para uma chacina que irei fazer no colégio que fui bulinado (sic). Em breve teremos um documentário estilo Columbine nas telinhas nacionais. Aguardem....", diz a mensagem.

O deputado Jair Bolsonaro afirmou na quinta-feira que não sabia sobre o perfil falso. Bolsonaro disse ainda que não possui qualquer conta numa rede social, e se colocou à disposição para ajudar nas investigações:

- Meu nome foi o mais falado esta semana no twitter, nas páginas eletrônicas. Eu sou o nome do momento. Isso pode ser alguém querendo associar minha imagem ao caso. Se eu começar a tentar processar todo mundo eu vou ficar maluco, mas, lógico, que tudo que puder fazer para ajudar eu faço. Deixo meu computador ou o que precisar à disposição para as investigações - afirmou ele.

A comunidade "No Escuro", onde a mensagem foi postada, convoca seus mais de 46 mil membros a contarem seus segredos e medos, e a confessar suas fraquezas. De acordo com a assessoria de imprensa do Google, responsável pela rede social, não há como falsificar a data que uma mensagem é postada, o que confirma que o texto foi publicado sete dias antes do ataque.

Felpuda


Tudo indica que o MDB não conseguiu convencer o PSDB de iniciar namoro com vistas a casamento nas eleições, e a ideia teria sido descartada. Os tucanos demonstraram que o problema deles não é o cargo: os emedebistas ofereceram a vaga de vice na disputa à Prefeitura de Campo Grande, a mesma cobiçada pelos tucanos, mas na chapa do PSD do atual prefeito. A questão, politicamente falando, seria, digamos, o oferecido “noivo”. Afe!