Campo Grande - MS, sábado, 18 de agosto de 2018

empresas

Pequenas e médias são novo filão de emprego

8 MAI 2011Por FOLHA ONLINE09h:18

Elas movimentam 20% do PIB brasileiro, crescem até 30% ao ano e vão abocanhar até R$ 30 bilhões em oportunidades com a Copa de 2014.

Oferecem remuneração agressiva e perspectiva de crescimento rápido de carreira, desejo de nove entre dez profissionais da geração Y.

Entre os especialistas, não há dúvidas. Pequenas e médias empresas nunca estiveram tão atraentes e já representam um desafio para a retenção de talentos das grandes companhias.

"Até pouco tempo, muitos profissionais queriam ter a grande empresa como seu sobrenome. Mas hoje a possibilidade de fazer a diferença com um projeto já atrai mais do que o nome", diz Marcos Hashimoto, do Centro de Empreendedorismo do Insper.

Foi isso que transformou a rotina da paulistana Claudia Neufeld, 35. Ela trocou as salas de reunião da Unilever --onde foi de trainee a diretora global de marketing de cremes dentais-- pela Digipix, "startup" (empresa iniciante) de álbuns digitais com faturamento pouco acima de R$ 10 milhões.

"Não ter resposta para tudo é um tanto desconfortável, mas o desafio de aprender motiva muito", diz Claudia, que encarou o desafio do comércio eletrônico, tão diferente do varejo de bens de consumo onde estava.

Outros casos como os da executiva começaram a ficar mais populares após a crise.
Segundo Carlos Eduardo Altona, sócio da Exec Partners, especializada em recrutamento, com a orientação para corte de custos muitas multinacionais puxaram o freio de mão e aceleraram a transição dos profissionais.

O desenvolvimento de pacotes atraentes de remuneração também contribuiu.

Recompensa

As pequenas e médias já estruturam programas de recompensas com bônus anuais superiores aos das grandes. Para o nível de diretoria, algumas empresas já oferecem até dez salários (ante seis salários numa grande empresa), além de participações minoritárias na sociedade.

"Autonomia e velocidade na tomada de decisão também estão entre os atributos considerados. Muitas vezes existem apenas uma ou duas camadas de decisão até o presidente", diz Altona.

Foi agilidade um dos motivadores para o engenheiro Jack Sterenberg, 49, deixar uma posição de diretoria na subsidiária da gigante Oracle para assumir a direção-geral da Dimension Data, de integração de sistemas de tecnologia. No mundo, a companhia fatura US$ 5 bilhões, mas no Brasil ainda está em fase de crescimento.

"As empresas muito grandes viraram elefantes gigantescos, enquanto os clientes querem flexibilidade."

Leia Também