Campo Grande - MS, quarta, 15 de agosto de 2018

Genética

Pedra nos rins é mais comum em homens

21 MAR 2011Por Terra07h:30

O fator genético influencia na possibilidade de uma pessoa desenvolver cálculo renal, também conhecido como pedra nos rins. Porém, mesmo que o histórico familiar não registre um caso, vale a pena seguir uma dieta que torne mais difícil o aparecimento do problema.

 

Relatos a respeito de cálculo renal respondem por 3% da população brasileira. Eles predominam em homens com idades entre 20 e 40 anos, de acordo com dados transmitidos pela nutricionista Adriana Monaco (CRN 21751).

 

A formação do cálculo se dá pelo acúmulo de substâncias no rim, que não encontram saída pela urina, nem pelo sangue. Infecções que causam o entupimento das vias urinárias também podem contribuir para a geração da pedra. “Pessoas que, sem controle médico, tomam suplementos de vitamina D podem acabar desenvolvendo cálculo renal. É importante que esses suplementos não sejam ingeridos acima da necessidade de cada um”, diz Adriana.

 

Combinado com o cálcio, um dos principais responsáveis pelo problema é o oxalato, substância encontrada em café, nozes, beterraba, morango, chá preto, chocolate e refrigerantes à base de cola. O cálcio é encontrado em leite e derivados, ou vegetais verdes escuros.

 

Pode ser recomendada a redução no consumo dos alimentos ricos em oxalato, principalmente se a genética favorece o aparecimento de pedras nos rins. Simplesmente retirar da dieta aqueles que contenham cálcio não ajuda. “Sem cálcio na alimentação, o corpo tenta manter os níveis adequados retirando cálcio dos ossos, o que pode causar doenças relacionadas à deficiência da substância, como osteoporose”, explica Adriana.

 

Confira o papel de outros elementos da dieta, na formação de pedras nos rins, ou na maneira como ajudam a evitar o problema:

 

Hidratação: beber água é importante em qualquer idade, para ajudar na eliminação do que pode vir a se acumular no organismo. É comum que os idosos tenham reduzida a frequência com que sentem sede. Para evitar a desidratação, pode-se acostumar a beber água com algum intervalo.

 

Ácido Úrico: outra substância que acumula, formando o cálculo renal. Bebidas alcoólicas levam à produção de ácido úrico no organismo. Alimentos que contêm purina, como caldo de carne, frutos do mar e anchova também são ruins, com relação ao problema. Chá de carqueja ou cavalinha, de preferência em folha ou saquinhos, ajudam a evitar o acúmulo de ácido úrico.

 

Sódio: o sódio no organismo favorece a desidratação, dificultando a excreção do cálcio. Refrigerantes, alguns tipos de adoçante (feitos de ciclamato ou sacarina de sódio), molhos prontos, produtos congelados, caldo pronto para tempero, frios, molho de soja para comida japonesa (shoyo) e sal de cozinha devem sempre ser apreciados com moderação. E, em certos casos, evitados.

 

Se você já teve: de acordo com a especialista, pessoas que já tiveram pedra nos rins têm 10% mais chances de se deparar com o problema. Por isso, ao ter a pedra removida, tente levá-la a uma análise. As substâncias que compõem o cálculo orientarão o médico sobre o seu cardápio, em possíveis consultas no futuro. Tanto para ajudar a expelir outra pedra, quanto para reduzir as chances de ela aparecer.

Leia Também