Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Pecuaristas mudam venda do boi e preço deve cair no varejo

2 FEV 10 - 23h:23CARLOS HENRIQUE BRAGA
Sete meses após a criação da campanha que incentivava os pecuaristas de Mato Grosso do Sul a vender apenas à vista, o setor produtivo deixa a posição historicamente submissa às empresas frigoríficas e anuncia a criação de cooperativa de venda direta ao consumidor em Campo Grande. A pretensão é abocanhar 10% do mercado local, o que representa o abate de 20 mil animais por ano, usando frigoríficos e açougues alugados para beneficiar e distribuir o produto. A medida deverá reduzir também o preço da carne para o consumidor. “Nós temos que evoluir, comercializamos da mesma forma há 70 anos”, diz o presidente do Sindicato Rural de Campo Grande, José Lemos Monteiro. Entre as inovações em desenvolvimento estão também a comercialização do gado no mercado físico da bolsa de valores — como é feito com açúcar e arroz, entre outras commodities —, e padronização do preço da arroba de forma à vista e livre do imposto Funrural. “Teremos condição de vender carne de qualidade muito mais barata”, prevê. A cooperativa virtual de produtores, ainda sem nome, deve sair do papel até o fim do ano. O termo “virtual” é usado porque os produtores serão locatários e não donos dos frigoríficos e açougues envolvidos na operação. Inicialmente serão alugados um ou dois açougues e uma unidade frigorífica. A ideia é baseada na Cooperativa Agroindustrial Aliança de Carnes Nobres Vale do Jordão (Cooperaliança), criada na cidade de Guarapuava (PR). Pressão midiática Desde 1960, a inadimplência dos frigoríficos pesa nas costas do setor produtivo. O pecuarista que vendia o gado a prazo para as empresas, acabou por financiá-las. “O setor produtivo sempre foi o mais desorganizado da cadeia da carne. Neste momento vivemos uma mudança no cenário. A venda à vista cresceu em todo o Brasil, e os frigoríficos tiveram de se capitalizar para passar pela mudança no padrão de comercialização”, avalia o analista João Pedro Cuthi Dias, da Sophus Consultoria. A insatisfação cresceu em 2009, depois que o Frigorífico Independência, então maior comprador em MS, anunciou recuperação judicial para não decretar falência. A dívida local com os produtores beirava os R$ 50 milhões e, após idas e vindas judiciais, chegou-se a negociação satisfatória — porém os pagamentos ainda não foram realizados. O cenário mudaria após o susto. Em junho, Federações de Agricultura e Pecuária de MS, Mato Grosso e Goiás criaram a campanha midiática ‘Gado só à Vista” para conscientizar o produtor sobre os riscos da venda a prazo. De acordo com o vicepresidente da Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Famasul), que liderou a luta pela venda à vista no Estado, Eduardo Riedel, “a campanha despertou a necessidade no modelo de vender o gado, e as vendas à vista crescerem significativamente, mas é difícil quantificar essa mudança”. Já a federação de Goiás (Faeg) tem esses dados: 65% das negociações são feitas à vista no Estado, segundo pesquisa da instituição. A propaganda próvenda à vista em rádios,TVs e jornais custou R$ 150 mil à Faeg. A Famasul não divulga o investimento na campanha, semelhante às de Goiás e Mato Grosso. Apesar do monitoramento pouco eficaz em MS, que impede a apuração do alcance da campanha, ela colaborou, segundo o setor, para a mudança no comportamento do pecuarista. Uma amostra dos novos tempos no mercado pecuário: a média de preço do boi gordo analisada pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), antes informado a prazo, agora é disponibilizado também à vista. Deságio preocupante Ao comprar à vista, os frigoríficos reduzem o preço dos animais em até 3%. É a norma de qualquer negociação: quem paga na hora tem direito ao desconto. Para Monteiro, o deságio fortalece o caixa do frigorífico em até 24% ao ano, porque barateia a mercadoria. De acordo com Cuthi Dias, esse é o outro lado da moeda. “Essa é a preocupação dos produtores na venda à vista, ainda mais em um mercado concentrado como o nosso, onde duas grandes empresas dominam e reduzem os preços”, analisa.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Nova decisão confirma Paper Excellence como majoritária da Eldorado Celulose
DECISÃO PROVISÓRIA

Nova decisão confirma Paper Excellence como majoritária da Eldorado Celulose

Centro de Triagem deve ser novo destino de Jamil Name
MILÍCIA ARMADA

Centro de Triagem deve ser novo destino de Jamil Name

Lei autoriza criação de "disque-dengue" via WhatsApp
VIZINHO COM TERRENO SUJO?

Lei autoriza criação de "disque-dengue" via WhatsApp

Queda no preço da arroba do boi não chega aos açougues
CARNE

Queda no preço da arroba do boi não chega aos açougues

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião