Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, segunda, 19 de novembro de 2018

PORTO MURTINHO

Peão matou a esposa com tiro no rosto porque esta não fez o jantar e estava na vizinha

21 AGO 2012Por DA REDAÇÃO18h:50

A Polícia Civil de Bonito (MS) informou na tarde desta terça-feira (21) que prendeu o peão Gilson Monteiro de Lima (34 anos) que matou a esposa com um tiro no rosto, em Porto Murtinho. O motivo foi porque ela não teria feito o jantar e estava na casa de uma vizinha, na fazenda.

O crime ocorreu no domingo (19), por volta das 18h, na Fazenda São José.

Segundo a polícia, a vítima foi até a residência da vizinha e ali permaneceu alguns instantes. O autor, por sua vez, chegou e passou a questioná-la a respeito dos motivos de ela estar naquele local e não em casa, assim como não ter feito o jantar.

Com isso, a vítima passou a se defender afirmando que estava ali para visitar sua vizinha e amiga que se encontrava grávida. Ainda foi apurado que a vítima seria madrinha da criança quando esta nascesse.

O autor não aceitou as explicações da vítima e, na presença de duas testemunhas, sacou um revólver e disparou no rosto na mulher que teve morte instântanea.

Diante disso, o casal fugiu com medo de ser atinfido pelos disparos, tendo conseguido informar o gerente da fazenda que se encontrava na cidade de Bonito.

Na sequência, a Polícia Civil foi acionada e duas equipes passaram a investigar o crime. Uma delas ficou encarregada do levantamento de local de crime enquanto a segunda da localização e prisão do autor.  

Na tarde de ontem (20) os policiais localizaram o autor tentando chegar à cidade de Bonito, prendendo-o em flagrante.

Tendo em vista que o crime se deu na comarca de Porto Murtinho, o autor levado àquela cidade. Ao ser ouvido o autor negou o crime, afirmando que o disparo foi acidental.

As duas testemunhas foram ouvidas e narraram a forma como o crime aconteceu.

Gilson Monteiro de Lima está recolhido em uma das Celas Provisórias da Delegacia de Polícia de Porto Murtinho.
 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também