ESTREIA EM BRANCO

Pato descarta pressa por primeiro gol

Pato descarta pressa por primeiro gol
13/03/2014 08:53 - terra


Depois de um mês de espera, Alexandre Pato entrou em campo pela primeira vez com a camisa do São Paulo. O atacante mostrou boa movimentação nos primeiros minutos da partida contra o CSA no estádio Rei Pelé, chegou a balançar as redes em gol anulado e saiu de campo satisfeito com o próprio rendimento e com a vitória por 1 a 0 em Maceió.
"Corri bastante, dei meu máximo, mas o mais importante é a vitória. Também estou muito feliz pelo Osvaldo, que fez grande gol", festejou o número 11 do time tricolor após a estreia na Copa do Brasil.

Pato iniciou a jogada que terminou em golaço de Osvaldo aos 8min do segundo tempo, mas poderia voltar de Alagoas com dois gols na conta. Logo no começo do primeiro tempo, o atacante recebeu de Luís Fabiano na área, ajeitou com o braço e bateu de canhota, com estilo, para estufar as redes de Pantera. O árbitro viu o toque e anulou o lance. Já na etapa complementar, Paulo Henrique Ganso ajeitou de cabeça e Pato só foi parado por Pantera.

"Olha, meu gol até saiu, mas anularam, né? Depois o goleiro fez uma defesa em cima da linha. Agora é trabalhar, o importante é a vitória. O grupo me recebeu bem e isso me deixa feliz. Me esforcei o máximo, agora é esperar o jogo da volta, jogar e ajudar os colegas", projetou o astro, pensando na partida marcada para o dia 9 de abril.

Até estrear pelo São Paulo, Alexandre Pato havia marcado nos primeiros jogos como profissional por Internacional, Milan, Seleção Brasileira e Corinthians.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".