Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Partidos articulam indicação de ex-ministro para o lugar de Arruda

Partidos articulam indicação de ex-ministro para o lugar de Arruda
10/03/2010 10:03 -


Com o governador do Distrito Federal na cadeia, um grupo de sete partidos, apoiados pelo Planalto, mira um personagem “à margem” da contaminada política brasiliense para ocupar o Palácio do Buriti: é o ex-ministro e conselheiro do Tribunal de Contas do DF, Ronaldo Costa Couto. A Câmara Legislativa do Distrito Federal deve acelerar a apreciação do processo de impeachment do governador José Roberto Arruda e preparar a convocação de eleições indiretas, elegendo um governador fora de seus quadros e sem vinculação partidária para cumprir o mandato até o final do ano. Esta é a saída legal e política que está sendo costurada nos bastidores por dirigentes do PSB, PT, PDT, PC do B, PV, PRB e PMDB e a simpatia de setores do Supremo Tribunal Federal (STF), que também vê “com reservas” a possibilidade de intervenção. O motor que impulsiona esta negociação é a ameaça permanente de intervenção federal no DF e o nome que está mais forte para assumir comando de Brasília é de Costa Couto, que já ocupou a cadeira de governador como interino, em 1985, por um mês. “Para evitarmos a intervenção, teremos que eleger um governador com cara, mãos e coração de interventor”, aconselha o senador Cristovam Buarque (PDT-DF), que já governou o DF e tem resistido às pressões para voltar ao Palácio do Buriti.

Felpuda


Paixão política que extrapola o bom senso, chega nas redes sociais e se transforma em baixaria pode resultar em prejuízo no bolso. Isso foi o que aconteceu com autor de texto nada elogioso contra colega por diferenças em apoio a candidatos nas eleições de 2016. O dito-cujo foi condenado a pagar indenização de R$ 7 mil, com correção monetária e juros mensais a partir da publicação da sentença, além dos honorários advocatícios. Detalhe: os adversários daquela época hoje andam de braços dados. Pode?