Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

RESOLUÇÃO

Parlamento da Ucrânia pede que Tribunal Internacional julgue ex-presidente

25 FEV 14 - 23h:00AGÊNCIA BRASIL

O novo governo da Ucrânia irá levar o caso do ex-presidente, Viktor Ianukóvitch, destituído no último final de semana, ao Tribunal Penal Internacional (TPI). O TPI é uma instância penal da Justiça internacional em que são julgadas somente pessoas, jamais Estados, por quatro tipos de crimes: contra a humanidade, de guerra, de agressão e genocídio. De acordo com uma resolução aprovada nesta terça-feira (25) pelo Parlamento do país, pede-se que o tribunal julgue o ex-presidente pelo “assassinato em massa” de manifestantes – o que deverá ser enquadrado como crime contra a humanidade.

“Pedimos ao Tribunal Penal Internacional que identifique os culpados deste crime contra a humanidade que processe Viktor Ianukóvitch e outros altos responsáveis que deram e executaram ordens criminosas”, informa o documento aprovado por 324 dos 450 deputados do Parlamento.

De acordo com Estatuto de Roma, que regula as atividades do TPI, para que uma questão seja submetida ao seu juízo, o tribunal tem de ter jurisdição sobre a questão. Para isso, o Estado onde o crime ocorreu – no caso, a Ucrânia - tem de ser signatário do estatuto ou a pessoa acusada ser nacional de um Estado sob a jurisdição do tribunal. Caso nenhuma desses dois requisitos sejam preenchidos, o Estado em questão tem de aceitar a jurisdição da corte.

Outros requisitos são a omissão do Estado em relação ao julgamento do fato – ou a ausência de instâncias responsáveis - e que o crime em questão tenha sido cometido depois da submissão do Estado à jurisdição do TPI. A Ucrânia reconhece a jurisdição da corte desde 2007. Segundo os números oficiais, os confrontos em Kiev deixaram 82 mortos e cerca de 700 feridos.

Segundo a resolução aprovada pelo Legislativo da Ucrânia, o ex-presidente foi responsável, ao longo de três meses de crise política, pelo uso ilegal de pressão física e de armamentos contra manifestantes em ações pacíficas na capital do país, Kiev – em especial nos protestos dos dias 21 e 22 de fevereiro.

“Essa atuação das forças de segurança levou à morte de cem cidadãos ucranianos e de outros países e a ferimentos em mais de 2 mil pessoas, 500 das quais continuam em estado grave”, informa o texto.

A resolução aprovada hoje (25) se segue ao anúncio feito ontem (24) da expedição de um mandato de busca e prisão contra o ex-presidente. Viktor Ianukóvitch foi destituído da Presidência no sábado (22), um dia depois de assinar um acordo com líderes da oposição para pôr fim à crise.

* Com informações da Agência Lusa

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Deputada do PSL cria campanha para Bolsonaro não ir à ONU
POLÍTICA

Deputada do PSL cria campanha para Bolsonaro não ir à ONU

Produto vencido poderá <br>ser trocado por outro grátis
DIREITO DO CONSUMIDOR

Produto vencido poderá
ser trocado por outro grátis

Justiça de SP aceita denúncia contra seguranças por tortura de jovem
BRUTAL

Justiça de SP aceita denúncia contra seguranças por tortura de jovem

Campo Grande recebe evento sobre investimento de imigração nos EUA
INFORME PUBLICITÁRIO

Campo Grande recebe evento sobre investimento de imigração nos EUA

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião