INVESTIMENTOS

Parceria garante mais 1.232 casas em Campo Grande

Parceria garante mais 1.232 casas em Campo Grande
21/08/2012 00:00 - DA REDAÇÃO


O governo do Estado firmou uma parceria com a Prefeitura de Campo Grande e a Caixa Econômica Federal para construir 1.232 unidades habitacionais no Residencial Celina Martins Jallad, ao lado do residencial Ronaldo Tenuta, na região do bairro Caiobá. O convênio assinado ontem (20) pelo governador André Puccinelli vai garantir cerca de R$ 8,2 milhões em contrapartida estadual para edificar as moradias e ainda contribuir para a redução do déficit habitacional.

“A parceria do governo com a municipalidade garante mais casas para quem realmente precisa. Mesmo com o crescimento da população temos conseguido reduzir o déficit de moradia no Estado, através desta parceria com os entres federativos [governo estadual, municipal e federal] e entes privados”, ressaltou Puccinelli ao lembrar que serão investidos mais de R$ 73 milhões na edificação das casas, sendo R$ 65,2 milhões do governo Federal, quase R$ 8,2 em recursos estaduais, e terrenos e redução de taxas e impostos vindos da Prefeitura de Campo Grande.

As unidades habitacionais fazem parte do programa Minha Casa Minha Vida 2 (MCMV-2) e serão destinadas a famílias da Faixa-1, que possuem renda mensal de até R$ 1,6 mil. As casas serão compostas por dois quartos, sala, cozinha, banheiro, com forro e piso em toda a área interna, além de possuírem sistema de aquecimento solar em cada uma das unidades.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".