Quarta, 21 de Fevereiro de 2018

DECRETO

Paranaíba deve decretar estado de emergência após seis dias de chuva

7 MAR 2011Por ANA MARIA BARBOSA/TRÊS LAGOAS15h:42

A prefeitura de Paranaíba, a 370 km da Capital, está preparando decreto de declaração de situação de emergência no município, afetado por seis dias de chuva. O prefeito José Garcia de Freitas, o Zé Braquiara, afirmou que assessores e a Defesa Civil estão fazendo levantamentos para concluir o decreto.
 

Preliminarmente, o prefeito informou que pelo menos 12 pontes de madeira, que dão acesso a diversas regiões da zona rural, caíram. Além disso, a cidade está isolada quanto ao acesso para o estado de Goiás, devido à queda de pontes e de estragos na estrada, que é de terra.
Na área urbana, alguns bairros por onde passam córregos foram afetados por alagamentos, porém não houve vítimas. O principal problema foi a inundação da Estação de Tratamento de Água (ETA), na madrugada de sábado (5), o que provocou destruição da subestação de energia da Enersul e interrupção no abastecimento de água para cerca 12 mil ligações.
 

Desde a inundação, a cidade está sendo abastecida por cinco caminhões-pipas. “Mas isso ainda é pouco. Estamos fazendo esforços, mas corremos o risco de agravar a situação”, avaliou Zé Braquiara. Ele lembrou que boa parte das residências conta com poços semi-artesianos ou poços comuns e que a população acaba doando água para os vizinhos.
Por causa do Carnaval, a cidade, que tem pouco mais do que 40 mil habitantes, está abrigando cerca de 12 mil turistas em hotéis ou em casas alugadas. A Sanesul, segundo o prefeito, só poderá normalizar a captação e tratamento de água quando o rio Santana de Paranaíba abaixar o nível e a subestação foi reconstruída. “Nossa sorte é que está chovendo menos, desde ontem (sábado)”, afirmou.


A cidade viveu o mesmo problema, no ano passado, ficando três dias sem água da concessionária, pois a ETA fica na margem do rio e vulnerável às enchentes.
O acesso de Cassilândia, Chapadão do Sul e Costa Rica a Paranaíba também continua restrito na BR-158, onde a estrada foi levada pela água, no km 79, apenas 12 quilômetros distante da cidade. A passagem acontece somente em meia pista, preferencialmente para carros de passeio.

Leia Também