Para não ser expulso, suplente pode deixar o PMDB

Para não ser expulso, suplente pode deixar o PMDB
18/05/2010 06:37 -


Fábio Dorta, de Dourados

Ameaçado de ser expulso do PMDB por apoiar abertamente a candidatura do ex-governador José Orcírio dos Santos (PT) ao Governo do Estado, o ex-vereador douradense e suplente de senador Eduardo Marcondes disse que poderá deixar o partido ainda nesta semana, caso o senador Valter Pereira (PMDB) aceite o convite para se filiar ao PSB.

“Estive com o senador na semana passada e fiz um compromisso de acompanhá-lo, caso ele deixe mesmo o partido”, contou Marcondes. “O senador me disse que tomará uma decisão até o próximo dia 20 e, se ele ingressar ao PSB, eu com certeza estarei junto com ele neste novo desafio político”, completou.
O suplente de senador afirmou que foi notificado pelo diretório municipal da denúncia feita pelo deputado federal Geraldo Resende (PMDB), que o acusa por infidelidade. “Se decidir permanecer no partido, vou apresentar defesa”, comentou.

Para Marcondes, a denúncia feita por Resende foi motivada pelo fato de Valter Pereira ter vencido em Dourados as prévias para o Senado contra o deputado federal Waldemir Moka (PMDB). “Isso é despeito, porque eles tentaram nos enfiar a candidatura do Moka goela abaixo e perderam”, afirmou.
O estatuto do PMDB prevê, em caso de condenação por infidelidade partidária, punições que vão de advertência a suspensão ou expulsão de membro do partido. A denúncia feita por Geraldo Resende foi encaminhada à comissão de ética do diretório municipal.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".