domingo, 22 de julho de 2018

PESQUISA IBRAPE

Para Murilo, população mandou recado a políticos

18 NOV 2010Por Fernanda Brigatti03h:33

Favorito em uma eventual disputa extemporânea pela Prefeitura de Dourados, o vice-governador Murilo Zauith (DEM) avalia o resultado da pesquisa Ibrape/Correio do Estado como um recado da população aos políticos sobre o caminho a ser seguido agora.

"(A pesquisa) está mostrando o caminho. Mostrou que os agentes políticos todos devem conversar e se unir em torno de um projeto pela cidade", disse.

Segundo a pesquisa Ibrape/Correio do Estado publicada ontem, Murilo venceria a disputa pela prefeitura em três cenários distintos. O maior índice de intenções de voto aparece quando são apresentados, além do nome dele, o juiz Eduardo Rocha, a prefeita interina Délia Razuk (PMDB) e o ex-prefeito e deputado estadual eleito Laerte Tetila (PT). Nessa concorrência hipotética, o vice-governador aparece com 52% da preferência dos entrevistados.

"O resultado me agrada muito, fico feliz, mas eu penso que isso aí (uma candidatura) tem que se conversar, tem que ser dentro de um projeto. Eu, juntamente com todos que aparecem na pesquisa, temos responsabilidade por Dourados, e a população está mostrando o caminho pra nós", afirmou.

Em outra simulação da pesquisa, que inclui, além de Délia, Eduardo Rocha e Tetila, também George Takimoto (PSL), Murilo Zauith aparece com 47% das intenções de voto.

Num cenário com oito prováveis candidatos, o vice-governador aparece em primeiro lugar, com 33% das escolhas. Ainda apareceram, nessa simulação, os deputados federais reeleitos Marçal Filho (PMDB) e Geraldo Resende (PMDB), o juiz Eduardo Rocha, a prefeita Délia Razuk, o ex-prefeito Tetila, o ex-deputado federal João Grandão (PT) e a ex-deputada estadual Bela Barros (DEM).

A pesquisa Ibrape/Correio do Estado entrevistou 322 eleitores nos dias 12 e 13 de novembro, com moradores de 25 bairros do perímetro urbano de Dourados. Existe a possibilidade de uma nova eleição no município caso a Câmara Municipal casse o mandato do prefeito Ari Artuzi (sem partido) e do vice Carlinhos Cantor (PR). Ambos estão afastados dos cargos por determinação judicial e estão presos desde 1º de setembro, por envolvimento em um esquema de fraude em licitações e desvio de recursos.

Leia Também