Domingo, 25 de Fevereiro de 2018

AVALIAÇÃO

Para Lula, DEM tem ditadura no DNA e merece ser extinto

24 DEZ 2010Por São Paulo04h:20

Nos seus últimos dias à frente do comando do País, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi a grande estrela do site Porradão de 20, de Celso Athayde, um dos fundadores da Central Única das Favelas (Cufa), presente hoje em 26 estados brasileiros, além do Distrito Federal, e coautor dos best-sellers "Falcão - Mulheres e o tráfico", "Falcão - Meninos do Tráfico" e "Cabeça de Porco". Em entrevista exclusiva, classificada pelo autor do site como muito especial, "pois trata-se da despedida do Porradão em 2010 e também da despedida do metalúrgico que se tornou o político, e porque não dizer, o homem mais importante da história deste país", Lula ataca duramente o DEM, dizendo que este é um partido que tem a ditadura no seu DNA, fala do mensalão, de sua gestão e diz que o maior desafio de sua sucessora, Dilma Rousseff (PT), é "fazer mais e melhor do que o que já foi feito".

Ao falar das críticas que já dirigiu ao DEM, como por exemplo a de que essa legenda deveria ser extirpada da política brasileira, o presidente fez um mea-culpa, argumentando que estava se referindo às urnas, no jogo democrático de uma eleição.

Depois, voltou a criticar duramente a legenda. "Esse partido, ou melhor, seu antecessor, o PFL, que não consegue se viabilizar nas urnas, em 2005 tentou o tapetão, o que é natural porque é um partido que tem a ditadura no seu DNA. É sempre assim - partido que não tem apoio do eleitorado, apela. Um de seus dirigentes chegou a dizer que iria se ver livre dessa ‘raça do PT’ por pelo menos 30 anos." Além disso, ironizou a mudança de nome da legenda, salientando que não adiantou o partido mudar de nome (já foi Arena, PDS e PFL) porque eles não enganam ninguém.

Ao falar de sua sucessora e afilhada política, Lula frisou que Dilma participou de todos os principais programas de sua gestão. "Eu creio que, diante de tudo isso, o principal desafio que ela vai encontrar é fazer mais e melhor do que o que já foi feito. E eu estou convencido e tenho fé de que ela vai conseguir. Sua capacidade de trabalho, sua dedicação e sua energia já foram testadas nesses oito anos e ela foi aprovada com méritos. Realizar mais e melhor é um desafio e ao mesmo tempo uma necessidade, diante de tudo o que falta fazer para termos um país realmente próspero e igualitário."

Questionado sobre o mensalão, o presidente voltou a dizer que essa é uma das muitas histórias que ainda não estão devidamente esclarecidas e explicadas. "Quando estiver fora do governo, eu vou me dedicar a estudar o caso até entender o que realmente aconteceu", prometeu.


 

Leia Também