Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Para advogado, grampos são meras interpretações

17 MAI 08 - 20h:15
     

SÃO PAULO

 

O deputado Paulinho da Força (PDT-SP) não fala sobre o esquema BNDES nem sobre as referências a seu nome, que a Polícia Federal registra nos 10 relatórios enviados à Justiça. No início da Operação Santa Tereza, a Força Sindical, presidida pelo deputado, divulgou nota alegando que ele sofre implacável perseguição política.

Seu advogado, Antonio Rosella, afirma que "são absurdas, loucuras" as acusações da PF. Rosella considera "meras interpretações" os grampos que os federais registram nos autos do inquérito. "Se tiver um terceiro que fale o nome dele mais de 100 vezes, está falando por conta dele e deve assumir", reagiu o advogado. "Não é certo você responsabilizar a quem ele (terceiro) se referiu", justificou Rosella.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Em apoio a cota zero, empresários organizam encontro de pesca
PESQUE E SOLTE

Empresários organizam encontro de pesca em Corumbá

Ministério Público vai investigar irregularidades em nascente do Rio Perdido
BONITO

MPE vai investigar irregularidades no Rio Perdido

Niki Lauda faleceu <br>aos 70 anos
AUTOMOBILISMO

Niki Lauda faleceu
aos 70 anos

Peugeot investe em novo estilo <br>do 2008
CORREIO VEÍCULOS

Peugeot investe em
novo estilo do 2008

Mais Lidas