Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quinta, 15 de novembro de 2018

Papa pede para que crianças em região de guerras sejam protegidas

1 JAN 2010Por 15h:45
     

        Da redação

        O papa Bento XVI fez um chamado para que todas as pessoas tenham o respeito adequado, sem discriminação, e pediu que as crianças que vivem em países que sofrem guerras e violências sejam protegidas, durante uma missa rezada nesta sexta-feira em comemoração ao Ano Novo.
        O pontífice romano, que hoje celebrou o Dia Mundial da Paz para a Igreja Católica, fez um chamado a todos os grupos armados a que "parem, reflexionem e abandonem toda forma de violência", embora isso pareça impossível.
        "Vocês sentirão em seus corações a alegria da paz, que quem sabe faz muito tempo esqueceram", destacou Bento XVI durante a oração ao Angelus, ao meio dia. Ele disse que a paz começa quando os homens reconhecem que são irmãos, não inimigos e rivais.
        "A paz começa com um olhar de respeito, que reconhece no rosto de outro ser humano uma pessoa, sem importar a cor da sua pele, sua nacionalidade, seu idioma ou religião", disse o papa na homilia da missa, celebrada na Basílica de São Pedro.
        O papa de 82 anos colocou as crianças, particularmente as que são ou foram afetadas por conflitos armados ou a abandonar suas casas, no centro da sua mensagem em favor da paz.
        As tristes e dolorosas imagens de crianças colocadas à mercê da guerra e da violência, com seus rostos "desfigurados pela dor e pelo desespero" são um silencioso pedido de paz, afirmou bento XVI.
        O papa rezou a missa em São Pedro uma semana após ter sido derrubado por uma mulher na véspera do Natal.
        O Vaticano disse que a mulher, de 25 anos, tem problemas mentais e a identificou como Susanna Maiolo, uma suíça de língua italiana. A mulher segue internada numa clínica. (informações do Estadão)

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também