Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

País encerra produção de lâmpadas incandescentes

2 MAI 10 - 08h:30
     Da redação A produção de lâmpadas incandescentes está com os dias contados no Brasil. Das quatro grandes multinacionais que operavam no mercado, apenas a Osram ainda mantém fábrica no País. O produto vem sendo substituído de forma gradativa pela oferta de lâmpadas fluorescentes compactas eletrônicas (CFL, na sigla em inglês), que são bem mais caras, mas consomem menos energia, e são importadas da China.
        As incandescentes ainda representam boa parte das lâmpadas de domicílio. Mas, desde o apagão de 2001, houve aumento nas lâmpadas com menor consumo de energia. Nos últimos cinco anos, as vendas de lâmpadas CFL cresceram 20% ao ano.
        Hoje, o País importa cerca de 80 milhões de lâmpadas fluorescentes (não só as compactas), das quais mais de 70% vêm da China. A fabricação desse tipo de lâmpadas no Brasil seria inviável, dizem os especialistas. Para eles, é impossível competir com os cerca de 2,2 mil fabricantes chineses.
        O primeiro fabricante de lâmpadas incandescentes a jogar a toalha foi a GE, que demitiu 900 pessoas e fechou sua fábrica no Rio de Janeiro em 2009. A Sylvania, que foi adquirida em 2007 pelo grupo indiano Havells, também desativou sua fábrica na capital paulista, e passou a importar o produto da China.
        No próximo dia 30 de junho será a vez da Philips. A multinacional holandesa vai interromper definitivamente a produção de lâmpadas incandescentes no Brasil. A empresa vai fechar a fábrica de Capuava, em Mauá, no ABC paulista, e passará a importar o produto de filiais na Ásia, Europa e América do Norte.
        O encerramento da produção de lâmpadas no País resultará na demissão de 410 metalúrgicos da unidade. A justificativa da Philips é que as lâmpadas incandescentes, que respondem por 70% da produção da fábrica, fazem parte de uma tecnologia ultrapassada. O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Santo André e Mauá, Firmino da Silva, defende que a empresa invista em novos produtos e tecnologias para evitar o fechamento da fábrica.
        Ainda resta a fábrica da Osram em Osasco, região metropolitana de São Paulo. O presidente, Roger Michaelis, observa que a empresa sempre trabalha de acordo com a legislação dos países em que está presente.
        "A partir do momento em que o governo determinar o banimento das lâmpadas incandescentes, a empresa estará apta para se adequar às novas exigências", diz Michaelis.
        Ele conta que, nas discussões com o governo, tem defendido que a lei entre em vigor "de forma responsável e estruturada". "Por ser um mercado muito grande, as movimentações devem ser cautelosas para que os consumidores não sejam prejudicados com aumento de custos ou problemas de abastecimento. "  (Do Estadão)
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

PREVIDÊNCIA

Militares terão que trabalhar 35 anos para se aposentar, prevê PL

CCJ da Câmara aprovou a redação final do PL dos militares
Cidade do Natal será aberta em dezembro com shows e roda gigante
CAMPO GRANDE

Cidade do Natal será aberta em dezembro com shows e roda gigante

Bolsonaro assina carta <br>de desfiliação do PSL
OFICIALIZOU SAÍDA

Bolsonaro assina carta
de desfiliação do PSL

Inauguração da nova rua 14 de Julho terá atração nacional
REVIVA CAMPO GRANDE

Inauguração da nova 14 de Julho terá atração nacional

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião